segunda-feira, 30 de julho de 2012

dicas para lidar com pessoas deficientes visuais

Oioi pessoal, tudo joia? hoje vim divugar um texto que recebi de um amigo. trata-se de dicas para aprender a lidar com um deficiente visual. essas dicas serão muito uteis,já que as pessoas na ânsia de ajudar, acabam fazendo coisas que nos encomodam ou nos constrangem de alguma forma. então ai vai a primeira parte. -As 20 dicas a quem queira ajudar algum deficiente visual- Introdução: tendo em vista as campanhas a respeito de inclusão e responsabilidade social tão na moda hoje em dia, muitas pessoas super bem intencionadas estão fazendo grande confusão a respeito de como e quando ajudarem os deficientes e, sobretudo, no caso presente, os visuais, os quais estão mais expostos ao envolvimento; isto significa: deles, os outros podem aproximar-se sem pedir licença; podem olhar para eles e observá-los à vontade, sem que sejam notados... pegam neles sem que tenham tempo de reagir e assim por diante. Portanto, na tentativa de iluminar esta sociedade cheia de boa vontade, alguns deficientes visuais, assistente social, fisioterapeuta e professor, estudantes, resolveram trocar idéias e montar 20 dicas que podem ser úteis. Antes de transmiti-las, apenas alguns esclarecimentos: os deficientes aqui referidos são pessoas que já adquiriram relativa independência, que enfrentam desafios e tentam superar as próprias limitações. Os deficientes, como as outras pessoas, são diferentes entre si; cada um tem sua própria história, suas crenças e valores. Ainda há muitos que vivem à mercê de seus pais, cônjuges e filhos e não podemos julgá-los. Força é algo interior e pessoal. Esses, neste texto, não precisam ser considerados. Estamos referindo-nos àqueles que, com ou sem dificuldade, andam pelas ruas, trabalham, em casa ou fora, possuem apenas a deficiência visual, estão inseridos em grupos sociais, enfim, na medida do possível, buscam chegar bem perto do comum das pessoas 1ª - Se encontrar um deficiente visual na rua ou em algum lugar público, não o conhecendo, jamais lhe pergunte, a queima-roupa, onde vai ou onde quer ir. Esta pergunta é invasora e indiscreta, sendo bem aceita apenas por conhecidos. Pergunte-lhe, simplesmente: "Quer ou precisa de alguma ajuda?" 2ª - Se oferecer-lhe ajuda e ele não aceitar, não insista nem se melindre com isto. Se, por um lado, você se sente no dever de ajudar, por outro lado, ele tem o direito de não querer ser ajudado. 3ª - Se estiver sentado em um transporte coletivo e vir aproximar-se um DV do seu lugar, com o intento de ser gentil, você pode até perguntar se ele quer sentar-se, mas, caso ele lhe agradeça e não queira a gentileza, não fique discutindo, alegando que é perigoso ficar de pé, que ele poderá cair e tudo mais. Lembre-se de que deficiência visual não é sinônimo de impossibilidade de equilibrar-se. Para o equilíbrio, bastam as mãos e as pernas. A visão, neste caso, não faz nenhuma falta. Além do mais, esses comentários abaixam a auto-estima da pessoa. Assim, em vez de ajudar, você estará atrapalhando. 4ª- Não fique pedindo a terceiros que cedam seu lugar para o DV, primeiramente, porque ele sabe falar por si mesmo, caso queira pedir algo; depois, você nem sabe se ele quer o lugar, criando, assim, uma situação constrangedora para ele e para a outra pessoa, sem pensar que você próprio poderá passar vergonha, no caso dele ou da outra pessoa não concordar com você. Já houve brigas feias por causa disto e não vale a pena. 5ª Jamais fale em nome de um DV. Ele é capaz de expressar-se normalmente, sem a intervenção de terceiros. Se quem está relacionando-se com o deficiente insistir em usá-lo como intermediário, educadamente, peça-lhe que se dirija, sem medo, ao outro. 6ª - Quando estiver prestando alguma ajuda, jamais fique dizendo frases de suposta solidariedade, como: "é duro não enxergar; Ne?" "Para a gente que vê já é difícil; imagine para vocês!" Assim, em vez de mostrar-se um bom companheiro, você estará colocando-se em uma posição de superioridade, criando uma barreira entre si e seu auxiliado. 7ª -- Quando estiver acompanhando um DV, jamais fique insinuando que ele deveria ter um acompanhante. Se ele está sozinho, é porque não está precisando de outra pessoa o tempo todo, apenas de um facilitador para algumas situações, como em travessias difíceis e tal facilitador, algumas vezes, pode ser você mesmo. . Além disto, você está ajudando porque quer e não tem o direito de ficar dando opinião sobre o que ele deve fazer. Colaborar com alguém, de vez em quando, seja no que for, é uma responsabilidade social conferida a todos nós pelo próprio Deus, como prova de gratidão pelas dádivas recebidas. 8ª - Quando estiver andando ao lado do DV, não precisa ficar o tempo todo avisando-lhe subidas e descidas. Ofereça-lhe o cotovelo e, sentindo seus movimentos, ele o acompanhará sem dificuldade. Aproveite para falar outros assuntos. 9ª - Jamais ofereça ajuda, sob o pretexto de que para o DV é difícil fazer o que quer que seja. É comum alguém chegar à casa de um DV, principalmente mulher e querer tomar a frente nos serviços. Isto, em vez de gentileza, é falta de respeito com a privacidade da outra pessoa, além de subestimá-la. 10ª - Se possível, antes de tocar na pessoa do DV, cumprimente-o ou dirija-lhe alguma palavra. O toque, por mais bem intensionado que seja, é muito invasor, principalmente quando se trata de quem não pode ver. A invasão do toque pode estender-se também aos objetos de apoio utilizados pelas pessoas com deficiência: bengala branca, moleta, cadeira-de-rodas, etc. Há pessoas que dizem que pegam direto porque não sabem o que falar. Digam-lhe apenas o motivo porque o estão tocando: um buraco, um orelhão, uma caixa de correio, um carrinho de papel ou coisa parecida, objetos que a bengala branca às vezes não identifica a tempo. Abrindo um parêntese: se o obstáculo não for demasiado perigoso, como esses que foram citados, deixe a pessoa à vontade, porque, talvez, aquilo seja até uma referência para ela, no caso de passar sempre pelo mesmo lugar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

comentem a vontade. estou aberta a sujestões e criticas. abraços!