sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Tristeza não tem fim, felicidade sim. Será?

Olá, povo. Tudo joia? Hoje Eu estou muito, mas muuuuito reflexiva. Aliás, esse fim de ano estou reflexiva. Vim falar sobre uma frase que costumo ouvir e não concordo. A frase diz: "tristeza não tem fim, felicidade sim". Vou explicar o porquê não concordo. Para quem sabe que simplesmente estar vivo e saudável já é uma alegria, a felicidade está em qualquer pequeno gesto, em cada pequeno sorriso. Só quem nunca esteve dentro de um hospital de grandes cidades e não viu de verdade o que é sofrimento é que, estando saudável, tendo o que comer e um emprego para chamar de seu, pode dizer que não é feliz de verdade. Eu peregrinei por vários hospitais em Porto Alegre. Vi pessoas muito, mas muito doentes mesmo. Pessoas sem um olho, pessoas com câncer em estado terminal. E essa gente tão sofrida nos passa uma lição de vida enorme! Para depressão, melhor terapia não há. Existem famílias que não tem o que comer e mal conseguem ter uma casa para morar, e mesmo assim são muito mais felizes que muita gente que tem de tudo. Essas pessoas que tem tudo o que é material se esquecem que a verdadeira felicidade está no amor e na caridade para com o próximo, pois fazendo o bem aos outros nos tornamos mais felizes. E essa caridade não precisa ser material, um abraço, um olhar carinhoso, um jesto amigo e até mesmo orar por alguém é uma forma de caridade. É por isso que se para essas pessoas tão sofridas a tristeza não existe, quem somos nós para sermos tristes? Podemos sim ter momentos tristes, mas não de ter uma vida baseada na tristeza. Por isso, mudemos essa frase para> "felicidade não tem fim, tristeza sim".

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Meu 2012

Olá, pessoal, tudo joia? Hoje eu vim falar sobre o meu ano de 2012. Ele foi cheio de desafios, mas também cheio de conquistas. Vamos a ele. Bem, comecei o ano de 2012 estudando para dois concursos, o doo INSS e o da Prefeitura Municipal de Itaqui. Passei nos dois concursos, mas não tão bem como eu gostaria. No do INSS passei entre os 150 primeiros da região, e no da Prefeitura passei pelas cotas. Quando eu achei que tava tudo certo pra eu entrar na prefeitura, eis que colocam mil empecilios para que eu nã entrasse. Quase entrei na justiça, mas não foi necessário. Enfim, depois de 2 anos formada e desempregada, consegui meu espaço profissional. Depois entrei, conheci gente nova, legal, um mundo um pouco diferente do que eu vivia. E inesperadamente uma crise de pânico me atinge a ponto de quase me deixar totalmente incapacitada para tudo. Mas com a força da minha familia, me levantei e saí ainda mais forte do que quando eu entrei nela. Estou frequentando a psico e estou ficando cada vez mais forte.Em casa, meu mano que eu amo tanto como um filho tá se formando, graças a Deus. To tão feliz com a formatura dele.. Conheci nesse meio tempo uma grande amiga que com certeza será amiga para a vida toda. E uma amiga bem mais nova que eu, o que demonstra que a diferença de idade não quer dizer nada. Todos os meus planos de 2012 se realizaram. Para 2013 estou cheia de planos que amanhã eu conto.

terça-feira, 25 de dezembro de 2012

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Aposentadoria especial para pessoas com deficiencia

Olá. Tudo bem, pessoal? Hoje vim falar sobre uma coisa que está rodando na internet, um abaixo assinado para regulamentar a aposentadoria especial para pessoas com deficiencia. Essa lei já existe, porém, ainda não é regulamentada. A constituição dis que devemos tratar de forma igual os iguais e de forma desigual os desiguais, na medida de sua desigualdade, ou seja, de forma a que eles possam se equiparar aos demais. Entenda-se como desiguais os pobres, negros, deficientes e outros socialmente desfavorecidos. E para igualar os deficientes foi que foi criada a aposentadoria especial. Essa aposentadoria diminui o tempo de contribuição da PCD para no máximo 25 anos para deficientes leves e 20 anos para quem sofre de deficiencias mais graves. Porém, eu não concordo com essa lei em alguns pontos. Acredito que essa seja uma forma de segregação a nós, uma forma de demonstrar que não somos assim tão capazes para o trabalho. Além disso, é uma contradição, já que lutamos tanto para ingressar no mercado de trabalho através da lei de cotas. É claro que para pessoas que tem deficiencias progressivas que com o tempo as incapacitam para o trabalho, ela é válida, e por isso concordo que essa lei seja válida apenas para essas pessoas, assim como outros benefícios. Eu sei que posso pagar por essa postagem, já que sou uma vós dissonante dos demais deficientes, porém, eu que tenho deficiencia física, motora e visual não posso deixar de expressar minha opinião sobre esse assunto. Reflita e opine também, a favor ou contra, mas opine!

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Você sabe a hora de parar?

Olá povo. Hoje vim falar sobre um tema que vi ontem no programa do profissão reporter, tema delicado, aliás. O programa ontem foi sobre as mulheres alcoólatras e numa determinada parte, falava sobre os universitários de uma cidade paulista que são os que mais bebem no Brasil. Na época da reportagem, dois jovens tinham morrido por excesso de bebida. E isso me fez lembrar dos meus tempos de universitária e dos trotes que aqui fazem. Aqui o jovem bicho tem que pagar cerveja pra todo mundo, e o trote em uma determinada universidade consiste em o jovem beber até não se aguentar mais em pé. E durante a faculdade, é absolutamente normal o jovem beber até cair, e beber de tudo. Se você não bebe ou bebe pouco, você é careta, fora de moda, quadrada. E pior, contam com o maior orgulho seus porres, seu coma alcoólico, sua falta de lembranças sobre o que se sucedeu durante determinada festa. E daí fico pensando, o que serão desses universitários depois de adultos? será que pra começar, algo do que aprenderam ficou em seu cérebro com os neorônios acabados pela bebida? A mídia vende a bebida com a maior cara de pau e naturalidade, como se a bebida não seja a porta para todo o tipo de drogas,ou ainda pior, sendo droga lícita, é a mais devastadora de todas. Muitos jovens sem limites tornam-se adultos sem limites. E mesmo com limites, precisamos lembrar que a bebida é uma drora, lícita, mas uma droga. Espero que com essa reportagem alarmante de Caco Barcellos a mídia, ao envez de insentivar a bebedeira se utilize mais de seu espaço para mostrar os males que o álcool pode fazer ao ser humano. E que os jovens da próxima geração estejam mais conscientes desses riscos, que seus pais tenham maior diálogo com seus filhos sobre isso; porque mais que papel da mídia, esse é um papel da familia.

sábado, 1 de dezembro de 2012

QUANDO O AMOR NÃO BASTA

Oi pessoal. hoje vim mais fazer um desabafo, que vocês nem precisam levar em conta. Ontem, sem querer, no meio da minha festa de aniversário, fiz uma descoberta. descobri que amar só não é tudo. não é verdade esse negocio de quando há amor, não há distancia que separe,. Você conhece alguém pela internet, se apaixona. gosta tanto que fica em dúvida se essa pessoa é mesmo o amor da sua vida ou se é só uma amizade que você confundiu. mesmo ele te dizendo que não gosta de você, que vocês nunca dariam, certo, voce fica com aquela esperança de um dia conquistá-lo. Mas um belo dia você acorda depois de ter um sonho lindo com ele, fica o dia todo pensando nele e se dá conta que ele é realmente o amor da sua vida, mas que nunca dará serto. A final, onde ele estará no dia do seu aniversário? e quando você precisar dele pra te abraçar, desabafar, curtir o silêncio? e quando você quiser compañia pra dar uma volta, pra conversar? e quando você estiver doente, quem vai te mimar ou te dar carinho? De repente, você descobre que nem o seu grande amor diminui o que a distância faz, porque você já passou da idade de não querer viver a realidade, tudo que você quer é a rotina desgastante da realidade, é conhecer todos os defeitos dele e quer mostrar sem dó nem piedade todos os seus, você quer aquela briga que te faz chorar e gritar ou aquela felicidade que te faz sair de mãos dadas na rua rindo que nem criança. enfim, você quer o certo, o real, e não a aventura, o incerto. E então, você se dá conta que o amor da sua vida se realizará na próxima encarnação e vai ter que aprender a conviver com essa triste descoberta.

Quando só o amor não basta

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Uma noticia para nós cegos

Olá, pessoal. Como vão? Eu estou inscrita no grupo cegueta noticias e recebi uma muito legal que eu resolvi compartilhar. É sobre um sistema que avisa aos cegos sobre a chegada de ônibus interurbano. Espero que gostem e boa leitura! Sistema em limeira avisará cegos sobre chegada de ônibus ao ponto Município é o terceiro do país a implantar ferramenta no transporte coletivo! 46 deficientes visuais da Escola João Fischer serão treinados nesta quinta.Limeira (SP) é a terceira cidade do país a implantar um sistema que busca facilitar o uso do transporte coletivo por deficientes visuais. Transmissores de radiofrequência instalados em 130 ônibus vão avisar, aos cegos que tiverem o aparelho receptor do sinal, a aproximação do veículo ao ponto de embarque e desembarque. A ideia, de acordo com a empresa que desenvolveu a tecnologia, funciona desde 2010 em Jaú (SP) e em Araucária (PR). Pelo sistema, cada linha de ônibus ganhará uma frequência e o usuário poderá programar seu receptor de acordo com a necessidade. Quando o veículo e o deficiente estiverem próximos, os aparelhos emitirão um sinal sonoro, avisando o usuário que o ônibus está chegando e o motorista de que há um usuário à espera. A Prefeitura comprou 130 transmissores e 130 receptores ao custo de R$ 157,3 mil. O funcionamento dos equipamentos terá início em caráter experimental com o fim dos treinamentos, que começaram nesta segunda-feira (26) junto a motoristas e cobradores das empresas Viação Limeirense e Rápido Sudeste, que operam o transporte público no município. Na quinta-feira (29), o treinamento será ministrado para 46 deficientes visuais que frequentam a Escola João Fischer Sobrinho, especializada no atendimento desse público. O grupo será o primeiro a receber os aparelhos receptores. Os cegos que não frequentam a instituição e que estiverem interessados em usar o aparelho devem procurar a escola a partir da próxima semana e solicitar o equipamento, segundo a assessoria de imprensa da Prefeitura.

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Uma retratação

Olá. Como vão vocês? Hoje vim falar de futebol, e vim aqui me retratar sobre um assunto que falei a um tempo atrás. Faz um mês, eu acho, que eu falei sobre o fernandão no inter, falei que ele não era competente para assumir um time como o inter, que não tinha nem curso para técnico, como ele iria assumir um time grande? Pois bem, etiro o que eu disse em parte. Explico por quê. Realmente, fernandão não é técnico de assumir time grande, deveria sim, começar de baixo como qualquer técnico. Porém, não é só por isso que não deu certo no inter. Ele não deu certo porque ninguém dará certo no inter enquanto não houver comando de vestiário. Nos últimos tempos, o que tem se visto no inter é jogador boicotar técnico, demitem e admitem quem quiser, sem a menor serimônia. Ganham milhões e ainda segundo informações, vão ganhar bicho extra para vencer o grenal. Isso é postura de jogador de futebol? E Luigi, o atual presidente, permanece no time. Será que vai mudar alguma coisa? será que vai retomar as rédeas do time ou será que o inter só tende a piorar? O nome forte para assumir o inter é Dunga. Mas vamos acabar com nosso único ídolo que ainda está intacto? Qual será a postura de Dunga ante a jogadores que vão querer ditar as regras do jogo? Aguardemos e oremos!

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Uma boa noticia sobre Itaqui Town

Olá, povo, tudo joia? Hoje não vim falar sobre mim, mas sim, com muito orgulho da minha cidade querida Itaqui. Estava olhando como costumo fazer sempre o site da prefeitura e me deparei com uma ótima notícia que resolvi dividir com vocês. O site da prefeitura daqui é http://www.itaqui.rs.gov.br/ .espero que gostem! Ginástica nos Bairros está entre os cinco melhores do Estado Projeto da Saúde foi escolhido durante evento do Sindacs/RS em Porto Alegre Por Juliano Barbosa Antônia (C) e Magda recebem a premiação das mãos da presidente do Sindacs/RS, Josiane Oliveira
Foto: Arquivo Pessoal/Antônia Fagundes Antônia (C) e Magda recebem a premiação das mãos da presidente do Sindacs/RS, Josiane Oliveira Foto: Arquivo Pessoal/Antônia Fagundes Dentre 150 projetos inscritos, de todas as regiões do Estado, 35 foram selecionados para participar Antônia (C) e Magda recebem a premiação das mãos da presidente do Sindacs/RS, Josiane Oliveira
Foto: Arquivo Pessoal/Antônia Fagundes Antônia (C) e Magda recebem a premiação das mãos da presidente do Sindacs/RS, Josiane Oliveira Foto: Arquivo Pessoal/Antônia Fagundes Dentre 150 projetos inscritos, de todas as regiões do Estado, 35 foram selecionados para participar Dentre os 35, estava o projeto itaquiense Ginástica nos Bairros, escolhido no dia do evento por uma comissão formada por representantes do Sindacs/RS, do Ministério da Saúde, da Secretaria de Saúde de Porto Alegre, do Tribunal de Contas do Estado e da Central Geral dos Trabalhadores do Brasil (CGTB-RS), como um dos cinco melhores do Rio Grande do Sul. – Nosso trabalho foi muito elogiado em relação a sua aplicabilidade, um projeto simples e eficaz, como definiram, e que será desenvolvido em outros municípios – orgulha-se a agente de saúde Antônia Fagundes, uma das coordenadoras do Ginástica nos Bairros ao lado das também agentes de saúde Magda Meus e Sirlei Schneider. Por ter sido escolhido um dos cinco melhores do Estado, o projeto participará de uma mostra nacional nos dias 26 e 27, na PUCRS, em Porto Alegre. O projetoO Ginástica nos Bairros foi criado em 2005 e, desde então, tem como professor o educador físico Vicente Guterrez. O projeto é realizado duas vezes por semana nos bairros cobertos pelos agentes de saúde. Em média, participam das atividades físicas cerca de 20 a 30 pessoas por bairro. O objetivo do Ginástica nos Bairros é trabalhar a saúde do indivíduo. Não há limite de idade para participar das atividades. O projeto é aberto a crianças, adolescentes, adultos e idosos.

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Vida agitada

Olá, pessoal, tudo bem com vocês? Bem, comigo tb tudo joia, fora o sono que me abate no dia de hoje. Ontem fui dormir meia-noite e acordar 10 para as 6 não é mole não! mas não dá pra reclamar, demorei tanto para conseguir esse emprego q a pior tortura tem q parecer a mais doce possível. Minha vida anda mega-agitada. e não das atividades rotineiras, como cursinho, centro e trabalho, mas de outras coisas, coisas diferentes. E isso me provoca sentimentos tão contraditórios... Ao mesmo tempo que eu adoro isso, fico muito agitada, pois estou sendo mais vista, conhecendo pessoas diferentes a cada dia e me descobrindo cada vez mais. Era tudo que eu sempre quis, mas que apesar disso, me assusta muito. Tá, tudo bem, eu sou mesmo meio louca, admito. Mas o que se pode fazer...? Em casa, tudo mais que tranquilo, pelo menos por enquanto, hehehehe. com tantas mudanças, não me espanto mais com nada que acontecer... Do que posso contar aqui é isso. das outras coisas que me afligem, essas vou ter q guardar pra mim, mas como eu queria ter com quem falar sobre esse sentimento... aliás, como eu queria poder falar exatamente pra uma pessoa, mas não posso correr o risco de perder um oi, uma conversa, uma atenção... não quero perder o pouco que tenho, que pra mim já é muito. Beijos e tchauzinho!

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Minha vida

Olá, pessoal. tudo joia? Hoje vim contar um pouco de tudo que aconteceu comigo durante esse tempo que fiquei fora. Então, vamos lá. Não lembro se contei, mas já comecei trabalhar. estou na ouvidoria da prefeitura municipal. é um trabalho prazeroso, pois através dele eu tento, pelo menos, fazer com que minha cidade funcione, se torne algo melhor. Os colegas são os melhores possiveis, nada posso falar deles. Todos os setores me receberam superbem. Nesse meio tempo, aconteceram algumas coisas que me fizeram ver a vida de forma diferente. me aproximei ainda mais da minha mãe e estou tentando me tornar alguém mais segura, alguém que acredita mais em si mesma. ms confesso que tá meio dificil. mas com certeza, nada do que eu não consiga superar. E vou me aproximar mais das pessoas que tantas vezes tentaram se aproximar de mim e eu não retribuia ao carinho delas. Vou tentar ser mais próxima, sair da defensiva. Enfim, foi isso que aconteceu na minha vida. Outro dia escrevo sobre um asunto que ficava dificil escrever em época eleitoral, mas agora que tudo acabou, posso escrever: a lei da ficha limpa. Ah, e para denuncias, sugestões, reclamações, pedidos de informações, sujestões ou solicitações à administração pública itaquience ligue 0800-645-2520 ou escreva para ouvidoria@itaqui.rs.gov.br Bjs e até qualquer hora!

sábado, 22 de setembro de 2012

DIA DA LUTA DA PESSOA COM DEFICIENCIA

Olá, pessoal. tudo joia? Ontem foi o dia nacional da luta da pessoa com deficiencia, e como sou um dos 45 milhões de brasileiros com esse problema, resolvi vir dar minha opinião sobre as mudanças que notei com o tempo, e posso garantir que houveram muitas,graças a Deus! Primeiro, vou explicar o porquê da escolha desse dia. Esse dia foi escolhido em uma reunião ocorrida em 1982, justamente por ser o dia da árvore, que simbolizaria o nascimento e cultivo das nossas reivindicações. Em 2005, através de um decreto lei foi oficializado no Brasil o dia nacional da luta da pessoa com deficiencia. Desde que eu comecei a estudar, muita coisa mudou pra melhor, apesar de ainda haver muito por fazer. Numa cidade pequena como a minha, em 1995 era quase um absurdo uma pessoa com deficiencia estudar em uma escola que não fosse a APAI ou o Otavio Silveira, nas classes especiais. Minha mãe teve que lutar até contra o prefeito e a secretária da educação da época para que o Braille fosse implantado em Itaqui. Quanto a aceitação dos colegas, sempre foi muito boa, tirando uma unica colega em todos os meus anos de estudo que não era muito amiga. Quando entrei na faculdade, a aceitação foi imediata, indo contra qualquer expectativa minha. Antes, no ensino médio, haviam algumas professoras que tinham preconceito velado, do tipo assim, nem tentavam trabalhar ou chegar em mim, mas diziam aos outros que eu não aprendia, q não sabiam como ensinar. Isso acontece até hoje com meu irmão. No mercado de trabalho, apesar de eu ter um bom curriculum, nunca fui aceita nem para trabalhar de voluntaria, só recebia promessas que nunca se cumpriam. Até para um simples cargo de telefonista, apesar de ter todos os requisitos para preencher o cargo, recebi a promessa de me contratarem assim que comprassem uma mesa adaptada, logo depois, fiquei sabendo que colocaram outra pessoa sem deficiencia nenhuma para ocupar o cargo, cargo aliás, que era para ser ocupado por uma PCD. E quando passei finalmente em um concurso público dentro das vagas reservadas para PCDS, pensei que não precisaria mais brigar contra o preconceito. Que nada, consegui o meu emprego atual depois de muita briga, muito correr atrás, de ameaçar até mesmo entrar na justiça para buscar uma coisa que conquistei por mérito, inteligencia e capacidade. Mas quero esquecer de todos os obstaculos que tive que enfrentar e lembrar que entrei por méritos próprios, e não pedindo favores a ninguém, apesar de parecer. Quanto a sociedade, antigamente, como era muito pouco comum uma pessoa deficiente sair de seu mundinho para o mundo lá fora, as pessoas ficavam olhando pra gente como se fossemos atração de circo, olhavam tanto q alguns chegavam a dar com a cara em uma parede qualquer ou até mesmo cair no meio da rua. Mas hoje isso não acontece mais, devido a muitas mães como a minha, tirarem seus filhos de casa e mostrarem ao mundo que a PCD é uma criança como qualquer outra, apenas com algumas limitações especificas. O preconceito ainda existe, velado, mas existe, porém, cabe a nós deficientes mostrarmos aos outros que somos iguais a qualquer outra pessoa que pode ser timida ou despachada, que é inteligente e pode aprender qualquer coisa, que podemos trabalhar e por que não, formar uma familia que aliás, não precisa ser especificamente com outro deficiente,, pois a final de contas, antes de sermos deficientes, somos gente!

domingo, 16 de setembro de 2012

Minha opinião sobre o Internacional

Olá, pessoal. Hoje vim postar sobre algo que não costumo falar aqui: futebol. Não vou falar aqui sobre esquemas táticos por motivos óbvios__ para quem não sabe, sou cega__, porém, vou dar meus pitacos sobre meu time, o inter. O inter a alguns anos vem dando muitas alegrias ao seu torcedor, já que desde 2006, tem sido campeão de todas as competições internacionais, oficiais e não-oficiais que disputou. Ensaiou algumas crises, mas nada que acabasse com o momento vitorioso do clube. Porém, de um ano pra cá, vem dando algumas decepções à sua torcida. Dorival Junior estava fazendo um trabalho rasoavel no time. Nada de impressionar, mas vinha mantendo o time na ponta do brasileirão, entre IV e o V lugar na tabela , além do campeonato estadual. Não estavamos tendo muito êxito em decisões, e talvez por isso, foi demitido. E então a diretoria resolve inovar contratando seu diretor de futebol na época e ídolo colorado Fernandão. Apartir daí, o time caiu em um abismo sem fim. Por muita sorte, continuamos ainda em VII lugar, não sei por quanto tempo. O ataque não finaliza, a zaga é um desastre sem fim, e o meio campo sem criatividade nenhuma. É bem verdade que fernandão não tem vida facil, já que por muitos motivos quase nunca tem o time completo nas mãos, seja por suspensões, lesões ou convocações às seleções argentina, uruguaia e brasileira, mas cá entre nós, com tudo isso, ainda não deu pra formar uma espécie de time B para ganhar as partidas que disputa em casa pelo menos? Não estou aqui dizendo que Fernandão é um técnico ruim ou que não vai prosperar na profissão, mas alguém que nunca na vida treinou um time e sequer tem um curso de técnico para chamar de seu, não deveria estar treinando um time da grandeza do internacional. Aliás, na minha opinião, grandes times não são lugares para esperiencias com recém-iniciados como treinador. E se a direção não fazer alguma coisa, e rápido, terminaremos brigando para não cair ou bem perto disso. Não sou alguém especialista no assunto, mas deixo aqui minha opinião e aceito debater o assunto com pessoas que discordem de mim, até mesmo para abrir minhas idéias sobre o assunto. aguardo os comentarios.

sábado, 15 de setembro de 2012

minha omenagem a semana farroupilha

Oioi pessoal. tudo joia? Estava pensando no que escrever para omenagear a semana farroupilha, que é a comemoração da guerra dos farrapos, que aconteceu no RS entre 1835 e 1845 por causa do preço do charque e de discordancias politicas com o restante do país. Sobre a historia já postei. Então lembrei de escrever sobre a história da chama crioula. procurei e achei no site http://sitiodogauchotaura.blogspot.com/ ,e agora vou postar aqui. A História da Chama Crioula Num ambiente em que a sociedade negava hábitos, costumes e tradições gauchescas, ressurge o sentimento de orgulho das coisas tradicionais que, a rigor, naquele momento só tinham algum destaque quando a Brigada Militar reverenciava a figura do General Bento Gonçalves da Silva, em solenidade que realizava a cada 20 de setembro em frente ao monumento erguido na Av. João Pessoa, em Porto Alegre. No mês de agosto de 1947, alguns estudantes do Colégio Júlio de Castilhos de Porto Alegre, liderados por João Carlos D’Ávila Paixão Côrtes, fundaram um Departamento de Tradições Gaúchas, junto ao Grêmio Estudantil. O Departamento destinava-se a estimular o desenvolvimento cultural, por meio de reuniões sociais recreativas. Era um movimento estudantil com alunos de diversas camadas sociais e segmentos étnicos, que levantava-se em favor das tradições. O objetivo era achar uma trilha diante da perda da fisionomia regional; combater a descaracterização; reagauchar o Rio Grande. Em suma: procuravam a identidade da terra gaúcha. Aprovada a idéia, o Grêmio Estudantil do “Julinho”, enviou a Imprensa da Capital, um comunicado, cujo primeiro parágrafo dizia: “O Grêmio Estudantil Júlio de Castilhos, sentindo a necessidade da perpetuação das tradições gaúchas, fundou, aliando aos seus já numerosos Departamentos, o das Tradições Gaúchas, procurando assim, preservar este legado imenso dos nossos antepassados, constituído do amor à liberdade, grandeza de convicções representadas pelo sentimento de igualdade e humanidade”. No Departamento de Tradições Gaúchas do Grêmio estudantil Júlio de Castilhos decidiram realizar a “1ª Ronda Gaúcha”, que logo passaria a ser chamada de Ronda Crioula. Esta iniciou no dia 7 de setembro, com uma programação que se estendeu até o dia 20 daquele ano de 1947. O programa previa o acendimento de um Candeeiro Crioulo, o primeiro baile gauchesco que aconteceu no Teresópolis Tênis Club, no dia 20 de setembro à noite, concursos de trajes regionais, palestras, concurso literário e uma série de momentos eqüestres. A decoração do local era feita de apetrechos campeiros (laços, guampas, pelegos, ninhos de João-de-Barro) além de um fogo-de-chão, onde se esquentava água para chimarrão e assava-se uma carne. Participam como convidados especiais o jornalista e escritor Manoelito de Ornellas e o desenhista de motivos campeiros e declamador gauchesco, Amândio Bicca. A eles coube julgar os gaúchos e as prendas mais tipicamente vestidos, sendo que a presença do ilustre historiador Manoelito de Ornellas, no baile, causou forte impressão ao proferir um inflamado discurso às causas regionalistas, manifestando sua crença naqueles jovens e nos objetivos a que se propunham alcançar. À beira de um verdadeiro fogo-de-chão, mateando e tomando café-de-chaleira, Barbosa Lessa ventilou a idéia de fundar uma agremiação civil gauchesca. Iniciava-se aí o tradicionalismo como força viva popular. Esta Ronda Crioula foi, na verdade, a precursora da Semana Farroupilha, oficializada somente 17 anos mais tarde, através da Lei Estadual 4.850, de 11 de dezembro de 1964. Paixão Côrtes, que dirigia o Departamento foi procurar o Presidente da Liga de Defesa Nacional e disse-lhe que gostaria de retirar uma centelha do Fogo Simbólico da Pátria no momento da sua extinção no dia 7 de setembro e transportá-la até o Colégio Júlio de Castilhos. Lá acenderia um candeeiro típico, num altar cívico como parte das comemorações da Ronda Gaúcha, no que foi autorizado. Naquele ano de 1947, a Liga de Defesa Nacional, presidida pelo Major Darci Vignoli incluiu na programação alusiva à Semana da Pátria, a transladação dos restos mortais do General Farroupilha David Canabarro, de Sant’Ana do Livramento para o Panteão da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia, em Porto Alegre. Para este acontecimento tão importante, entendeu o Major Vignoli que era do maior significado cívico que a guarda de honra fosse composta por uma representação de gaúchos tipicamente trajados, que traduzisse a alma da terra e o espírito farroupilha. Pessoas que lembrassem os tempos gloriosos dos nossos estancieiros e suas peonadas, que enfrentaram durante 10 anos todo o Império. Diante da inexistência de uma representação com estas qualidades, o Presidente da Liga solicitou ao Departamento de Tradições do “Julinho” um piquete de gaúchos para montar guarda à urna com os restos mortais do grande Herói Farrapo. Com muito custo Paixão conseguiu mais cinco jovens para a empreitada, totalizando oito componentes. Estava formado o Piquete da Tradição, grupo esse que passaria para a história, no 1º Congresso realizado em julho de 1954 em Santa Maria, quando foi batizado como o “Grupo dos Oito”. Próximo da meia-noite do dia 7 de setembro de 1947, os jovens, João Carlos D’Ávila Paixão Côrtes, Cyro Dutra Ferreira e Fernando Machado Vieira, devidamente montados, aguardavam junto a Pira. Chegando o momento da extinção do Fogo Simbólico da Pátria, foram chamados para a retirada da centelha, conforme haviam acordado. Paixão Côrtes subiu ao topo da Pira com um archote improvisado, feito de estopa embebida em querosene presa a ponta de um cabo de vassoura e solenemente acendeu aquela que seria a primeira Chama Crioula. Dali, os três cavaleiros, conduziram a galopito a centelha até o “Julinho”, onde acenderam o Candeeiro Crioulo. A Chama Crioula é o fogo que simboliza fertilidade, calor, claridade, ardor, paixão, hospitalidade e coragem. Simboliza, enfim, a Tradição Gaúcha. Representa o gaúcho idealizado no espírito heróico dos Farroupilhas, com os ideais de justiça e liberdade, visando a aproximação dos povos.

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

A politica e suas intenções

Oioi pessoal. tudo joia? Estive analisando a politica, as campanhas e tudo mais. E criei um conceito sobre isso tudo e resolvi partilhar com vocês. Na minha opinião, e acredito que vou ser muito criticada por ela, quando alguém entra para a vida política tem realmente boas intenções. Intenção de mudar a sua realidade, acha que nada é feito por falta de boa vontade politica e tal; e quando chegam lá, percebem que é tudo muito diferente do que ele pensava ser. Quando entram na prefeitura ou na veriança, percebem que tudo não passa de um jogo político, um toma lá, dá cá, principalmente quando se tratam de partidos coligados. Outra coisa que notam é que os recursos não são tão altos assim, que não é apenas estalar os dedos e a verba para cumprir o prometido chega num zaz trás. É claro que existem os politicos que se aproveitam da máquina pública para tirar um dinheirinho e construir seu pé de meia, mas não podemos pensar que todos são assim. Pensemos que nós também somos grandes iludidos pela vontade de fazer diferente do outro. Por isso, cuidado com as promessas faraonicas e revolucionarias, na maioria das vezes elas nunca sairão do papel; ou pelo menos não sairão por um bom tempo. Acreditem naquele que não promete nada a curto praso, que explica como vai fazer as coisas, naquele que não promete mudar o mundo, mas diz o que realmente pode mudar. E para isso, assistam, por mais insuportaveis que sejam, as propagandas eleitorais, vão aos comicios, enfim, procurem saber o que seu candidato anda prometendo por ai. Tenha consciencia politica e não compre gato por lebre!

terça-feira, 31 de julho de 2012

continuação das dicas de como lidar com os deficientes visuais

Oioi galera. hoje vou continuar as dicas de como lidar com uma pessoa deficiente visual. eu acrescentaria a esse manual algumas outras dicas, mas acredito que ele está bem completo. boa leitura! 11ª -- Não fique querendo ensinar as pessoas que não enxergam a fazer as coisas. Elas têm seu próprio jeito e experiência, que podem, aliás, ser até maiores que as suas. Portanto, mesmo que, dentro da sua razão, você pense que há jeitos melhores, dê-lhes o direito de pensar diferente. 12ª - Saiba que escada é obstáculo para cadeirantes ou pessoas que usam moleta e não para deficientes visuais. Portanto, não fique fazendo caminho mais longo em busca de rampas. 11ª -- Não fique querendo ensinar as pessoas que não enxergam a fazer as coisas. Elas têm seu próprio jeito e experiência, que podem, aliás, ser até maiores que as suas. Portanto, mesmo que, dentro da sua razão, você pense que há jeitos melhores, dê-lhes o direito de pensar diferente. 12ª - Saiba que escada é obstáculo para cadeirantes ou pessoas que usam moleta e não para deficientes visuais. Portanto, não fique fazendo caminho mais longo em busca de rampas. 13ª - Quando ajudar um DV, não fique dizendo-lhe que está fazendo-lhe um favor, ainda mais se a idéia de ajudar tiver partido de você. Isto causa humilhação e até antipatia Também, educadamente, desaprove quem ficar exaltando exageradamente seu gesto, nobre, na verdade, mas não tão heróico assim. 14ª - Jamais fique insinuando que a ajuda sua ou de quem quer que seja é indispensável, porque o DV desenvolve seus próprios recursos, com os meios que Deus e a natureza disponibilizam a todos os seres. Só lhe falta a visão e, mesmo assim, os outros sentidos, bem trabalhados e estimulados, substituem-na em vários aspectos. 15ª - Não trate o DV com excesso de mimo e com super proteção, como se estivesse lidando com uma criancinha ou um doente. A limitação visual como qualquer outra, se bem trabalhada, torna as pessoas fortes, desafiadoras, maduras e independentes, não necessitando de excesso de cuidados. Além disto, é bom que se saiba que super proteção é preconceito velado. 11ª -- Não fique querendo ensinar as pessoas que não enxergam a fazer as coisas. Elas têm seu próprio jeito e experiência, que podem, aliás, ser até maiores que as suas. Portanto, mesmo que, dentro da sua razão, você pense que há jeitos melhores, dê-lhes o direito de pensar diferente. 12ª - Saiba que escada é obstáculo para cadeirantes ou pessoas que usam moleta e não para deficientes visuais. Portanto, não fique fazendo caminho mais longo em busca de rampas. 13ª - Quando ajudar um DV, não fique dizendo-lhe que está fazendo-lhe um favor, ainda mais se a idéia de ajudar tiver partido de você. Isto causa humilhação e até antipatia Também, educadamente, desaprove quem ficar exaltando exageradamente seu gesto, nobre, na verdade, mas não tão heróico assim. 14ª - Jamais fique insinuando que a ajuda sua ou de quem quer que seja é indispensável, porque o DV desenvolve seus próprios recursos, com os meios que Deus e a natureza disponibilizam a todos os seres. Só lhe falta a visão e, mesmo assim, os outros sentidos, bem trabalhados e estimulados, substituem-na em vários aspectos. 15ª - Não trate o DV com excesso de mimo e com super proteção, como se estivesse lidando com uma criancinha ou um doente. A limitação visual como qualquer outra, se bem trabalhada, torna as pessoas fortes, desafiadoras, maduras e independentes, não necessitando de excesso de cuidados. Além disto, é bom que se saiba que super proteção é preconceito velado. 16ª - Não fique pegando no DV quando ele estiver subindo ou descendo de um transporte coletivo. Isto só incomoda. Aliás, falando em transporte coletivo, aqui vai uma recomendação especial para motoristas e cobradores que atuam nesses ônibus comuns, ou seja, aqueles que não são bi-articulados ou ligeirinhos. Vocês não precisam sair do seu posto para atenderem ao deficiente visual. Se puderem, parem o ônibus o mais próximo poss´´ivel dele. Se houver mais de um ônibus que pare no mesmo lugar, digam qual é o que está parando. Não precisam ficar avisando-lhes sobre os degraus, porque o DV que anda sozinho já está bem acostumado com a estrutura do transporte. 17ª - Não torne a limitação do deficiente visual maior do que é, querendo fazer para ele ou por ele o que pode fazer sozinho. Exemplo: é comum, quando precisa abrir uu fechar uma porta ou portão alguém correr à sua frente para fazer isto para ele e, muitas vezes, além de não ajudar, acaba atrapalhando. 18 - Evite alguns gestos que só prejudicam: puxar o braço da pessoa, sobretudo, apertando, como para segurá-la. Isto descoordena todos os movimentos e até machuca; ficar empurrando-a pelas costas ou passando o braço por trás. Pode ser até carinhoso, mas é incômodo, pelo menos para a maioria das pessoas. 19 - Cuidado com certas perguntas ou comentários enquanto ajuda, coisas que você não diz a pessoas estranhas comuns: "Está indo dar uma passeadinha" "Passeando a esta hora?" Comentários como estes podem ser até inocentes, mas, com certeza, você não os faria para outras pessoas. Em outras palavras, você quer dizer que deficiente não trabalha nem tem grandes compromissos; portanto, pode passear a qualquer hora. Caso queira mesmo ter um diálogo, pergunte como o faria com as outras pessoas: "você trabalha? Estuda?" A-demais, ficar perguntando a alguém se está indo passear, salvo, talvez, em um final de semana, pode até magoar, porque, às vezes, a pessoa está indo resolver uma situação triste e está bem chateada. 20ª Esta não é uma dica, mas uma reflexão: as pessoas precisam entender que excesso de ajuda e proteção humilha. Portanto, não é sinônimo de boa educação. O excesso de zelo constrange e tira a liberdade, por mais bem intensionado que seja. Portanto, não se assuste, se, às vezes, o deficiente trata você com uma certa dureza. Ele está apenas tentando ser respeitado em sua dignidade pessoal a qual você está violando, quando o trata como um coitadinho, um inválido ou incapaz. Nem mesmo uma criança em pleno juízo gosta de ser tratada assim. O verdadeiro amor ao próximo é aquele que cria nele confiança, liberdade e auto-determinação. Quem trata os outros com excesso de proteção, na verdade, não está em uma relação de ajuda, mas de poder e manipulação. Está usando o outro e até abusando dele Enfim, ao ler isto, você pode estar até pensando que é muito complicado; que o deficiente visual é muito melindroso e que é melhor nem tentar ajudá-lo. Isto não é verdade. É que ele tem os mesmos sentimentos que os outros seres humanos. Se você puser sua imaginação para funcionar, inclusive fechando os olhos de vez em quando, vai entender. Você gostaria de que, sem você poder ver, alguém lhe agarrasse ou apertasse o braço sem dizer nada? Você fica contente quando alguém lhe diz que você é incapaz de fazer alguma coisa, quando tem certeza de que é capaz? Você gosta de opiniões alheias, quando não as pediu? Então: saiba que o deficiente visual enfrenta essas coisas diariamente e quando, lá uma vez ou outra, perde a paciência por ser tão desrespeitado em sua privacidade e dignidade, chamam-no "revoltado"; "ingrato"; "complexado" "ignorante" Pense nisto; mas pense agora. --

segunda-feira, 30 de julho de 2012

dicas para lidar com pessoas deficientes visuais

Oioi pessoal, tudo joia? hoje vim divugar um texto que recebi de um amigo. trata-se de dicas para aprender a lidar com um deficiente visual. essas dicas serão muito uteis,já que as pessoas na ânsia de ajudar, acabam fazendo coisas que nos encomodam ou nos constrangem de alguma forma. então ai vai a primeira parte. -As 20 dicas a quem queira ajudar algum deficiente visual- Introdução: tendo em vista as campanhas a respeito de inclusão e responsabilidade social tão na moda hoje em dia, muitas pessoas super bem intencionadas estão fazendo grande confusão a respeito de como e quando ajudarem os deficientes e, sobretudo, no caso presente, os visuais, os quais estão mais expostos ao envolvimento; isto significa: deles, os outros podem aproximar-se sem pedir licença; podem olhar para eles e observá-los à vontade, sem que sejam notados... pegam neles sem que tenham tempo de reagir e assim por diante. Portanto, na tentativa de iluminar esta sociedade cheia de boa vontade, alguns deficientes visuais, assistente social, fisioterapeuta e professor, estudantes, resolveram trocar idéias e montar 20 dicas que podem ser úteis. Antes de transmiti-las, apenas alguns esclarecimentos: os deficientes aqui referidos são pessoas que já adquiriram relativa independência, que enfrentam desafios e tentam superar as próprias limitações. Os deficientes, como as outras pessoas, são diferentes entre si; cada um tem sua própria história, suas crenças e valores. Ainda há muitos que vivem à mercê de seus pais, cônjuges e filhos e não podemos julgá-los. Força é algo interior e pessoal. Esses, neste texto, não precisam ser considerados. Estamos referindo-nos àqueles que, com ou sem dificuldade, andam pelas ruas, trabalham, em casa ou fora, possuem apenas a deficiência visual, estão inseridos em grupos sociais, enfim, na medida do possível, buscam chegar bem perto do comum das pessoas 1ª - Se encontrar um deficiente visual na rua ou em algum lugar público, não o conhecendo, jamais lhe pergunte, a queima-roupa, onde vai ou onde quer ir. Esta pergunta é invasora e indiscreta, sendo bem aceita apenas por conhecidos. Pergunte-lhe, simplesmente: "Quer ou precisa de alguma ajuda?" 2ª - Se oferecer-lhe ajuda e ele não aceitar, não insista nem se melindre com isto. Se, por um lado, você se sente no dever de ajudar, por outro lado, ele tem o direito de não querer ser ajudado. 3ª - Se estiver sentado em um transporte coletivo e vir aproximar-se um DV do seu lugar, com o intento de ser gentil, você pode até perguntar se ele quer sentar-se, mas, caso ele lhe agradeça e não queira a gentileza, não fique discutindo, alegando que é perigoso ficar de pé, que ele poderá cair e tudo mais. Lembre-se de que deficiência visual não é sinônimo de impossibilidade de equilibrar-se. Para o equilíbrio, bastam as mãos e as pernas. A visão, neste caso, não faz nenhuma falta. Além do mais, esses comentários abaixam a auto-estima da pessoa. Assim, em vez de ajudar, você estará atrapalhando. 4ª- Não fique pedindo a terceiros que cedam seu lugar para o DV, primeiramente, porque ele sabe falar por si mesmo, caso queira pedir algo; depois, você nem sabe se ele quer o lugar, criando, assim, uma situação constrangedora para ele e para a outra pessoa, sem pensar que você próprio poderá passar vergonha, no caso dele ou da outra pessoa não concordar com você. Já houve brigas feias por causa disto e não vale a pena. 5ª Jamais fale em nome de um DV. Ele é capaz de expressar-se normalmente, sem a intervenção de terceiros. Se quem está relacionando-se com o deficiente insistir em usá-lo como intermediário, educadamente, peça-lhe que se dirija, sem medo, ao outro. 6ª - Quando estiver prestando alguma ajuda, jamais fique dizendo frases de suposta solidariedade, como: "é duro não enxergar; Ne?" "Para a gente que vê já é difícil; imagine para vocês!" Assim, em vez de mostrar-se um bom companheiro, você estará colocando-se em uma posição de superioridade, criando uma barreira entre si e seu auxiliado. 7ª -- Quando estiver acompanhando um DV, jamais fique insinuando que ele deveria ter um acompanhante. Se ele está sozinho, é porque não está precisando de outra pessoa o tempo todo, apenas de um facilitador para algumas situações, como em travessias difíceis e tal facilitador, algumas vezes, pode ser você mesmo. . Além disto, você está ajudando porque quer e não tem o direito de ficar dando opinião sobre o que ele deve fazer. Colaborar com alguém, de vez em quando, seja no que for, é uma responsabilidade social conferida a todos nós pelo próprio Deus, como prova de gratidão pelas dádivas recebidas. 8ª - Quando estiver andando ao lado do DV, não precisa ficar o tempo todo avisando-lhe subidas e descidas. Ofereça-lhe o cotovelo e, sentindo seus movimentos, ele o acompanhará sem dificuldade. Aproveite para falar outros assuntos. 9ª - Jamais ofereça ajuda, sob o pretexto de que para o DV é difícil fazer o que quer que seja. É comum alguém chegar à casa de um DV, principalmente mulher e querer tomar a frente nos serviços. Isto, em vez de gentileza, é falta de respeito com a privacidade da outra pessoa, além de subestimá-la. 10ª - Se possível, antes de tocar na pessoa do DV, cumprimente-o ou dirija-lhe alguma palavra. O toque, por mais bem intensionado que seja, é muito invasor, principalmente quando se trata de quem não pode ver. A invasão do toque pode estender-se também aos objetos de apoio utilizados pelas pessoas com deficiência: bengala branca, moleta, cadeira-de-rodas, etc. Há pessoas que dizem que pegam direto porque não sabem o que falar. Digam-lhe apenas o motivo porque o estão tocando: um buraco, um orelhão, uma caixa de correio, um carrinho de papel ou coisa parecida, objetos que a bengala branca às vezes não identifica a tempo. Abrindo um parêntese: se o obstáculo não for demasiado perigoso, como esses que foram citados, deixe a pessoa à vontade, porque, talvez, aquilo seja até uma referência para ela, no caso de passar sempre pelo mesmo lugar.

terça-feira, 24 de julho de 2012

MPF/SP: Anatel tem que apresentar regras para celulares acessíveis a deficientes visuais Liminar dá prazo de 4 meses e foi concedida em ação civil pública proposta pelo MPF; multa é de R$ 5 mil por dia em caso de descumprimento

A 17ª Vara Federal Cível de São Paulo concedeu ontem,17 de maio, liminar em ação civil pública proposta no último dia 16 pela Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão em São Paulo e determinou que a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), no prazo de 120 dias, elabore “projeto contemplando as adaptações normativas que suprimam as barreiras existentes” para o uso de celulares por pessoas com deficiência visual. A regulamentação deverá estabelecer normas para que sejam oferecidos no mercado aparelhos que indiquem, de forma sonora, quais as operações e funções estão sendo clicadas pelo usuário cego ou com visão reduzida. A decisão é da juíza federal Adriana Pileggi de Soveral e atende parcialmente os pedidos do MPF. Na ação, o procurador regional dos Direitos do Cidadão Jefferson Aparecido Dias requereu também que, após a apresentação do projeto, fosse determinado à Anatel outros 120 dias para a sua implementação. A juíza, entretanto, negou esse pedido, alegando que o apreciará após a apresentação do projeto pela Anatel, em virtude da “complexidade” das eventuais medidas. Em maio de 2011, após receber reclamações que indicavam as dificuldades na aquisição de celulares acessíveis aos deficientes visuais, a PRDC solicitou esclarecimentos à Anatel e foi informada que muitos aparelhos já possuem facilidades que propiciam a interação por intermédio da fala. Na oportunidade a Agência enviou ao Ministério Público Federal uma relação de aparelhos que possuem o software “leitor de mensagens”. Da lista fornecida pela Anatel, apenas alguns modelos foram encontrados no mercado nacional, a maioria com tela sensível ao toque, o que torna sua navegação praticamente impossível aos deficientes visuais. “O software 'leitor de mensagens' que acompanha esses aparelhos opera apenas nos idiomas inglês e finlandês”, informa a ação. A PRDC também consultou a Associação Brasileira de Assistência ao Deficiente Visual (Laramara). A instituição analisou o software 'leitor de mensagens' e concluiu que ele não atende as necessidades das pessoas com deficiência visual, já que não possui recursos que indiquem de forma sonora todas operações disponíveis no visor. Para obter tal acesso, segundo a associação, o deficiente visual teria que adquirir o software “talks”, que custa aproximadamente R$ 700,00 e instalá-lo em aparelhos compatíveis. Diante das dificuldades, o MPF recomendou à Anatel, ainda em 2011, que regulamentasse, no prazo de 90 dias, os requisitos para certificação de aparelhos sonoros, visando o atendimento às condições de acessibilidade. Em resposta, a Anatel informou que as regras formuladas pela sua Gerência de Certificação e Engenharia de Espectro se dirigem somente à indústria de equipamentos de telecomunicações, para que a produção atenda a quesitos de segurança, neutralidade de redes e respeito à vida do consumidor. A agência também enviou uma compilação de normas em vigor que garantiriam a acessibilidade dos deficientes. Para Dias a resposta não atendeu à recomendação. Ele considera que a Anatel “tem obrigação legal de proceder à regulamentação” e que está sendo “omissa no tocante ao pleno gozo dos direitos fundamentais das pessoas com deficiência”. “A ação foi necessária como única forma de exigir da Anatel a acessibilidade ampla e irrestrita das pessoas com deficiência visual aos serviços de telefonia móvel pessoal, já que a agência não cumpriu seu papel regulador”, explicou o Procurador Regional dos Direitos do Cidadão, Jefferson Aparecido Dias, autor da ação. Direitos – Na ação, o procurador cita normas internacionais – como a Convenção Internacional sobre Direitos das Pessoas com Deficiência e a Convenção Interarmericana para Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Pessoas com Deficiência – e normas nacionais, como a Lei 10/098/00 e o decreto 5.296/04, que garantem os direitos das pessoas com deficiência visual à todas as formas de comunicação. “Se existem os preceitos legais, por que continuam a ser violados?”, questiona o procurador. “Por falta de vontade política para cumprir tais preceitos, flagrantemente desrespeitados”, argumenta. Dias argumentou que para a maioria dos usuários de telefone celular as condições de acessibilidade podem parecer irrelevantes, mas “representam limites intransponíveis para o exercício dos direitos de uma parcela da população que sofre com a deficiência visual”. Para ler a íntegra da decisão judicial, clique aqui.

sábado, 30 de junho de 2012

mais um desafio

Oioi pessoal. tudo bem? vim aqui dividir mais uma experiencia com vocês e espero que o que está acontecendo comigo sirva para ajudar alguém. relutei muito antes de escrever sobre, mas como agora sei que não estou errada, resolvi dividir com meus leitores. Fiz o concurso da prefeitura para a cidade de Itaqui e passei na cota para deficientes. Isso segundo o edital, já que lá dizia que a cada 5 pessoas ditas normais que fossem chamadas, um deficiente seria chamado. para o cargo que eu fiz tinha 11 vagas, o que de acordo com o meu entendimento do edital, queria dizer que havia 2 vagas para deficientes. Seguindo esse raciossineo, eu seria a segunda pessoa com deficiencia a ser chamada. Pois bem, chamaram 5 pessoas, o moço que passou na minha frente e mais 5 pessoas e não me chamaram. estranhei e resolvi ligar pra me informar. dai que vem a experiencia: falaram que o edital estava errado, que o que valia é a lei municipal que diz que a prefeitura pode contratar no mínimo 5% de pcd. então, segundo o entendimento da advogada da prefeitura, para me chamarem teriam que chamar 21 pessoas para que feche 5% de deficientes e não seguiria o edital. Mas ai que tá, o edital fala outra coisa bem diferente. e a lei diz que é no MINIMO 5% e não no máximo. me informei com um advogado e ele me disse que o que vale é o edital e que eu posso entrar com uma medida caltelar na justiça. Eu sempre disse que não iria entrar na justiça por um emprego e tal, mas agora é questão de honra conseguir essa vaga, já que no edital escrevem uma coisa e na prática fazem outra. vou exercer meu direito, e conto pra vocês depois no que deu. me desejem boa sorte.

quarta-feira, 13 de junho de 2012

a origem do dia dos namorados

Oi pessoal. tudo joia? ontem eu prometi que postaria algo sobre a origem do dia dos namorados, porém, tive um ataque de renite que me tirou de combate. passei o dia todo na cama. mas como promessa é dívida, vai ai a postagem prometida. Existem diferentes versões sobre a origem do dia dos namorados. É bem provável que a festa dos namorados tenha sua origem em um festejo romano: a Lupercália. Em Roma, lobos vagavam próximos às casas e um dos deuses do povo romano, Lupercus, era invocado para manter os lobos distantes. Por essa razão, era oferecido um festival em honra a Lupercus, no dia 15 de fevereiro. Nesse festival, era costume colocar os nomes das meninas romanas escritos em pedaços de papel, que eram colocados em frascos. Cada rapaz escolhia o seu papel e a menina escolhida deveria ser sua namorada naquele ano todo. O dia da festa se transformou no dia dos namorados, nos EUA e na Europa, o Valentine’s Day, 14 de fevereiro, em homenagem ao Padre Valentine. Em 270 a.C., o bispo romano Valentino desafiou o imperador Claudius II que proibia que se realizasse o matrimônio e continuou a promover casamentos. Para Claudius, um novo marido significava um soldado a menos. Preso, enquanto esperava sua execução, o bispo Valentine se apaixonou pela filha cega de seu carcereiro, Asterius. E, com um milagre, recuperou sua visão. Para se despedir, Valentine escreveu uma carta de amor para ela. Foi assim que surgiu a expressão em inglês "From your Valentine". Mesmo tido como santo pelo suposto milagre, ele foi executado em 14 de fevereiro. O feriado romântico ou o dia dos namorados judaico: desde tempos bíblicos, o 15º dia do mês hebreu de Av tem sido celebrado como o Feriado do Amor e do Afeto. Em Israel, tornou-se o feriado das flores, porque neste dia é costume dar flores de presente a quem se ama. Previamente, era permitido às pessoas só se casar com pessoas da sua própria tribo. De certo modo, era um pouco semelhante ao velho sistema de castas na Índia. O 15 de Av se tornou o Feriado de Amor, um feriado judeu reconhecido durante os dias do Segundo Templo. Em tempos bíblicos, o Feriado do Amor era celebrado com tochas e fogueiras. Hoje em dia, em Israel, é costume enviar flores a quem se ama ou para os parentes mais íntimos. A significação e a importância do feriado aumentaram em anos recentes. Canções românticas são tocadas no rádio e festas 'Feriado do Amor' são celebrados à noite, em todo o país. (Jane Bichmacher de Glasman, autora do livro "À Luz da Menorá"). No Brasil, a gênese da data é menos romântica. Alguns a atribuem a uma promoção pioneira da loja Clipper, realizada em São Paulo em 1948. Outros dizem que o Dia dos Namorados foi introduzido no Brasil, em 1950, pelo publicitário João Dória, que criou um slogan de apelo comercial que dizia "não é só com beijos que se prova o amor". A intenção de Dória era criar o equivalente brasileiro ao Valentine's Day - o Dia dos Namorados realizado nos Estados Unidos. É provável que o dia 12 de junho tenha sido a data escolhida porque representa uma época em que o comércio de presentes não fica tão intenso. A idéia funcionou tão bem para os comerciantes, que desde aquela época, o Brasil inteiro comemora anualmente a data. Outra versão reverencia a véspera do dia de Santo Antônio, o santo casamenteiro. Adaptação: Lilian Russo (Fontes: Revista Época, edição 160/2001; IBGE Teen e Revista Eletrônica Rio Total) Esse texto tirei do site ilove.terra.com.br/lili/.../dia_namorados_origem.asp Parabéns aos casais apaixonados pelo dia de ontem!

segunda-feira, 11 de junho de 2012

as visões sobre os varios tipos de morte

Oioi pessoas. tudo joia? hoje estou aqui, sentada na minha cama, com um frio danado debaixo das cobertas. e vim falar sobre um assunto que pode significar o renascimento para a vida ou simplesmente o fim dela: a morte. A morte de um ser querido sempre faz a gente repensar na vida. repensar o quanto somos egoistas, o quanto deveriamos ter deixado nossos problemas de lado para dar um pouquinho mais de atenção para aquele ser que tanto amávamos, mas que agora não veremos mais. e do quanto estragamos a nossa vida e nos tornamos seres pequenos, inuteis diante da morte. falo isso porque passei essa semana pela morte de um ser querido que nem era tão próximo assim, mas a quem eu dedicava um carinho muito grande, como se o conhecesse muito. essa pessoa morreu porque escolheu morrer, mesmo que não conscientemente, mas pela força de um maldito vicio. aliás, o vicio do qual falo pode ser o tema de uma outra postagem. A outra morte, aquela que faz renascer para a vida, é a morte de um sentimento. Aquela pessoa de quem um dia falei do qual gostava muito? pois é, agora me curei desse sentimento que apesar de me fazer tão bem, me fazia tão mal por me sentir muito pequena, já que não era correspondida. e vocês vão dizer: mais uma vez ela diz que se curou, será? pois agora tenho certeza que sim. e por quê? Porque percebi que o que eu precisava era falar com alguém, era desabafar. e isso eu fiz com alguém que me fez sentir tão bem, tão grande, tão capaz de ser feliz. e estou me sentindo tão bonita por dentro, tão mulher, tão diferente daquela menininha desconfiada que eu sempre fui. essa pessoa com quem falei me abriu um novo orizonte, me fez vislumbrar um mundo tão colorido e me fez voltar a ser tão feliz como eu havia esquecido que podia ser. esssa foi a melhor morte que podia existir. e eu que achava que quando esse sentimento morresse, seria o pior dia da minha vida. mas foi bem o contrário: foi a melhor coisa que me aconteceu nos ultimos 2 anos! Portanto, cheguei a conclusão que a morte, seja em qualquer de seus sentidos, pode ser a melhor coisa para quem fica. serve para uma boa reflexão, para tomarmos consciencia de nossos defeitos e sanar nossos egoismos e para darmos atenção a pessoas que amamos tanto, mas não demonstramos seja pelo quê for. e pode servir também para tomarmos consciencia do nosso valor no mundo, para percebemos o quanto podemos ser nós mesmos, sem máscaras, e conseguirmos dar o melhor de nós a quem nos rodeia. Amanhã terá uma postagem sobre o surgimento do dia dos namorados, viu, apaixonados de plantão... beijos!

quarta-feira, 6 de junho de 2012

caridade, um dom divino

Olá, pessoal. tudo joia? hoje resolvi postar sobre uma reportagem que vi na tv e nos mostrou um exemplo de caridade. Uma senhora foi morar em Porto Alegre e não tinha achado emprego. dai colocou uma plaquinha na porta da sua casa onde dizia: "cuida-se de crianças". as mães levavam seus filhos e não mais iam buscar. então, essa senhora começou a cuidar de crianças abandonadas da região. Ela ficou muito doente, mal podendo andar e como não podia mais pagar o aluguel, se mudou para um barraco cheio de frestas. mesmo assim, não abandonou seus pequenos. até que um casal que buscava uma forma de ser solidário com alguém, encontrou essa senhora e lhe deu uma casa. e o numero de crianças foi almentando. agora ela cuida de 50 crianças e diz que eles são a razão de ela estar viva hoje, já que a vontade de cuidar de mais e mais crianças nasceu de uma promessa que fez a Ogum pela melhora da sua saúde. E isso me levou a lembrar de muitas coisas, como por exemplo, das tantas vezes que ajudamos alguém e quando não somos agradecidos, ficamos muito magoados e reclamando que nosso esforço não foi reconhecido. e me pergunto: que tipo de caridade é essa que espera ser reconhecida? definitivamente, não é essa a caridade pregada por Jesus. E você pode pensar: mas eu não tenho nem tempo nem dinheiro para fazer como essa senhora... Sem problemas! a caridade não consiste apenas em ajudar materialmente às pessoas. ela está numa palavra amiga, em um abraço na hora certa, em ajudar seu familiar doente, em orar por quem precisa. como vocês podem ver, ser caridoso não é nada dificil, depende unica e esclusivamente da nossa boa vontade e de deixarmos o egoismo que domina a humanidade de lado. Portanto, aplique-se e comece a ajudar. tenha certeza de que se você ajuda de coração, sem esperar nada em troca, a retribuição vem em dobro!

sexta-feira, 1 de junho de 2012

força ou fragilidade, palavra relativa

Olá, pessoal, tudo joia? hoje vim postar sobre algo que observei nas pessoas. percebi que a força e a fragilidade de alguém são muito relativas. Percebi que aquelas pessoas que parecem fortes, que brigam pelo que querem, que brigam até por serem briguentas, não passam de alguém que quer esconder suas fragilidades, e que precisa mesmo é de carinho e atenção, apesar de não dizerem isso. Falo isso porque conheço muita gente forte, decidida,carismática mas que na verdade precisam é de um carinho, uma palavra amiga, uma atenção. mas só uma coisa que eu queria entender dos ditos fortes: por que não demonstrar que querem carinho, que são doces e que precisam muitas vezes de ajuda? Ja aqueles que se dizem ou melhor, que parecem frageis por fora, que são mais quietos, que falam pouco e até antissociais-- entendam-se eu-- são mais fortes. quer dizer, fortes eu não diria, mas não tem medo de dizer que sim, tem medo, precisam ouvir uma palavra amiga, precisam ser insentivados e são emotivos e sensiveis. mas apesar de terem medo de tudo, mandam o medo pra lá e arriscam tudo, pois não tem nada a perder, já que ninguém acredita mesmo neles... E antes eu achava um saco ser taxada de fragil, que precisa de proteção, mas estou repensando o assunto, pois o fragil não sofre pressão, a final.. Na minha humilde opinião as pessoas deveriam tirar as máscaras que os envolvem. admitir seus medos e mais do que isso, enfrentá-los. eu aprendi a enfrentar os meus muitos medos e a demonstrar meus sentimentos e hoje sou a pessoa mais feliz do mundo por ser tão fragil e tão forte ao mesmo tempo.

sexta-feira, 25 de maio de 2012

quinta-feira, 24 de maio de 2012

A historia das coisas

Oioi pessoas, tudo joia? Bem, como eu disse, vou começar a atualizar mais o blog, já que agora to sem nada de importante pra fazer, e para isso, aceito sujestões de pauta,ok? A postagem de hoje, ou melhor, a sujestão de hoje é um video chamado "A história das coisas". O video nos fala sobre os caminhos da produção, desde a extração até o consumo e o lixo. O video nos mostra também o quanto as pessoas estão cada vez mais consumindo e produzindo com isso muito lixo, sem pensar em nenhum momento no futuro do planeta, nos males que esse excesso de consumo pode causar a humanidade. Segundo o video, somos muito influenciados pela midia, que nos faz acreditar que se não tivermos o produto da ultima moda, somos ridiculamente anormais e nos tornamos pessoas muito infelizes por causa disso. E o caminho para acabar com a destruição do planeta biologicamente e economicamente falando? o consumo consciente e o investimento na sustentabilidade. Assistam, pois vale a pena, apesar de ser um pouco longo. Não é um video chato, é muito divertido com algumas animações, e é bem explicativo também. espero que gostem! http://youtu.be/7qFiGMSnNjw

quarta-feira, 23 de maio de 2012

A real sobre o auxilio reclusão

Olá, galera do meu Brasil, tudo joia? Bem hoje eu vi que uma informação mal divulgada pode manipular o povo contra ou a favor do poder público. Aliás, como a gente acredita em tudo o que falam, né? Deixa eu explicar por que to dizendo isso. Os sindicatos estão divulgando por todo o país o aumento do auxilio reclusão para R$810,00 para as familias dos presos, de qualquer preso, simplesmente pelo fato de ele se encontrar preso. Além disso, segundo essa nota, esse valor seria recebido por cada filho que o preso tivesse. Vendo assim, todo mundo fica indignado e desejando matar alguém pra pelo menos sua familia ter um pouco de dignidade, não é? Pois essa informação está totalmente errada, seja por falta de esclarecimento ou seja por vontade dos sindicatos de manipular a opinião pública. A informação correta é a seguinte: todo o preso que contribuiu antes de cometer o crime para a previdencia social, que esteja ainda em condição de segurado e que ganhe até no máximo pouco mais de R$900,00, tem direito a um beneficio de no máximo R$810,00. O valor do beneficio a ser consedido depende de quanto foi o valor da contribuição do apenado para o INSS. Outra coisa, independente de o preso ter mais de uma familia, o valor será o mesmo, que será dividido entre suas atuais ou ex-familias. exemplo: a familia do preso tem direito a R$900,00 de auxilio reclusão, e esse preso está no segundo casamento e tem 2 filhos do primeiro casamento e 1 do segundo. Esse valor de 900 reais será dividido igualmente entre os 3 filhos do apenado. O auxilio reclusão só será pago ao apenado que estiver em regime fechado e será suspenso em caso de fulga ou conversão do regime de pena. Portanto, senhores, nada do que foi divulgado muitas vezes em e-mails quase que terroristas é verdadeiro. Quem quiser verificar se o que eu estou falando é verdadeiro, verifique no site do ministério do planejamento. Espero ter colaborado para que a população não receba uma informação muito mal divulgada, e espero que as nossas rádios, antes de divulgar qualquer nota, pesquisem melhor sobre o tema, pois a final de contas, o papel da imprensa não é informar corretamente o povo?

sexta-feira, 18 de maio de 2012

Um oizinho e noticias minhas

Oioi galera. tudo joia? passei aqui pra dar noticias, já que faz tempo que não posto por aqui. Acho que falei pra vocês que ia fazer o concurso da prefeitura daqui. pois é, fiz e passei. e mais que isso: me classifiquei entre o pessoal que vai ser chamado. To megafeliz com a noticia, pois esse será meu primeiro emprego. to muito ansiosa pra omologação do concurso e a pericia, e conhecer meus novos colegas... a cabeça tá a mil! E eu acho que pelo tanto que demorei pra encontrar um emprego, não vou ser como todo mundo que desejaria daqui a uns 20 anos parar de trabalhar. vou dar muito, mas muito valor a essa conquista tão esperada, tão suada e tão desejada. Minha vida sentimental continua na mesma pasmaceira e no mesmo assunto, infelizmente. mas tenho certeza que Deus vai me ajudar a esquecer essa pessoa que estou gostando agora e vai colocar no meu caminho alguém que me mereça, que me valorize e que me ame do mesmo jeito que eu o irei amar. Hoje especialmente estou muito confusa. uma ansiedade, uma alegria ao mesmo tempo, uma dor e uma irritação... sei lá, sentimentos borbulhando. Enfim, de resto, tudo na mais perfeita ordem. assim que terminar umas coisinhas que to fazendo voltarei a postar algumas reportagens interessantes pra vocês. bjs a todos!

domingo, 6 de maio de 2012

Amor, meu grande amor

Olá, pessoal. hoje vim falar do coração. o coração que nos prega mil peças, e que nos deixa tão confusos.. Quem nunca teve um grande amor platonico? alguém que sabe que nunca vai ser nada seu além de um grande amigo, mas que você, mesmo tentando, não consegue esquecer e ao mesmo tempo, não quer ficar longe, mesmo que esse alguém as vezes te faça mal, mesmo sem querer? E quando essa pessoa começa a falar de outra, e você tem que fingir que nem liga, pra não perder aquela companhia que te faz tão bem, que torna seu dia melhor só com sua simples presença. Aquela pessoa que com sua luz muda sua vida e torna ela cada vez melhor. E o amor por essa pessoa não te torna egoista, querendo ela só com você e mais ninguém. pelo contrário, quer a felicidade dessa pessoa, com ou sem você; só de ela ser feliz, você já é a pessoa mais feliz da terra. E esse amor tão bonito, tão sublime, tão bom nunca será mais nada além de seu grande amigo. mas que importa isso pra quem ama de verdade? E quantas vezes você falou antes que nunca ia se apaixonar por ninguém desse jeito tão besta, tão idiota, tão dependente? mas você quando percebeu, já estava perdidamente apaixonada por essa pessoa. E é esse o melhor amor que pode existir, o amor amigo, o amor sem egoismo, o amor tranquilo, apesar de ciumento muitas vezes. Espero um dia sentir um amor assim como o de agora por outra pessoa que me ame do jeito que eu o ame. E espero sempre ser amiga desse meu grande amor amigo de agora. mesmo que nunca fiquemos juntos.

sexta-feira, 27 de abril de 2012

Lei de cotas, preconceito ou oportunidade

Olá, pessoal. como vão? Bem, fazia um tempo que não postava, mas devido às ultimas noticias sobre a constitucionalidade da lei de cotas, resolvi dar aqui minha opinião. A votação do STF quanto a lei de cotas foi unânime em assegurar a constitucionalidade desta, baseando-se no que disse Aristóteles: "Tratar de forma igual os iguais e os desiguais de forma desigual na proporção de suas desigualdades". A partir de agora, as universidades públicas podem reservar até 20% de suas vagas para negros. Esse assunto está criando polêmica, pois muita gente acredita que isso é mais uma forma de segregação da raça negra. Bem, devemos admitir que os negros são maioria nas periferias do brasil, e por isso, tem menos acesso a uma educação de qualidade. Mas fica a questão: e os brancos que moram em periferias, não merecem o mesmo tratamento? Na minha opinião, deveriam sim existir as cotas, mas não por raça ou cor, e sim, cotas por baixa renda, pois é inegável que os mais pobres tem muito menos chance de ingressar numa universidade pública que o pessoal da classe média. E daí vocês vão falar: "não deveriam existir cotas, e sim deveriahaver mais investimento em educação pública". Concordo com isso, mas o que se faz com aquelas pessoas que estudaram a vida toda em escola pública e que nesse momento estão em idade universitária? Devemos prejudicar essas pessoas por que elas não tiveram a sorte de nascer em uma boa familia? Penso que as cotas podem sim ser uma ótima solução a curto praso. Não as cotas raciais, mas as cotas sociais. Deixo aqui minha opinião, esperando que essas cotas raciais não crie mais uma guerra intelectual entre brancos e negros dentro das universidades. Espero que a galera branca não utilize da historia das cotas para demonstrar seu preconceito, que não pode ser justificado por nada!

segunda-feira, 23 de abril de 2012

Mercado de produtos para pessoa com deficiência deve crescer 20% em 2012

O empresário Vitor Mauch, da Altra Importação & Exportação, que traz do exterior produtos de uso diário, como talheres e alcançadores, concorda que a tributação é um grande problema. “Alguns produtos que não têm sofisticação, mas que ajudam na rotina, como talheres, acabam taxados na mesma categoria de produtos normais”, explica. Um exemplo dado por ele é um prato com bordas mais altas e ventosas para prender na mesa. A empresa o compra da China por cerca de 7 reais (4 dólares) e é obrigada a revendê-lo por 42 reais no mercado interno. Vinte reais do preço total referem-se apenas à tributação. A Cavenaghi – empresa do ramo de adaptações veiculares, que possui duas lojas e 40 concessionárias autorizadas no Brasil – prevê expansão de 20% no faturamento neste ano. Hoje a companhia adapta e transforma anualmente cerca de 5.000 carros. Cada consumidor gasta entre 800 e 6.000 reais em produtos da linha de direção, por exemplo. “O mercado está sofrendo muita mudança, principalmente graças à Lei de Cotas. Quando essas pessoas entram no mercado de trabalho, elas começam a ser remuneradas e a consumir”, diz Monica Cavenaghi, diretora comercial da empresa, que planeja abrir mais seis lojas até o final do ano em cidades-sede da Copa do Mundo. Criada em 1991 e regulamentada em 1999, a lei determina que empresas com mais de 100 colaboradores têm de incluir homens e mulheres com deficiência em seus quadros de profissionais. Do total de pessoas nesta condição no país, cerca de 11 milhões têm capacidade laboral, segundo estimativas do Ministério do Trabalho (MTE). Estrangeiras de olho – Diante da perspectiva de crescimento bastante limitado dos mercados O Brasil acostumou-se nos últimos anos a notícias sobre a pujança da economia doméstica. Dentre tantos setores beneficiados um se destaca pelo fato de que seu avanço é sinônimo de inclusão e melhoria da qualidadede vida de uma enorme população que, há décadas, esteve marginalizada: as pessoas com deficiência (PcD). O mercado de bens e serviços de tecnologia assistiva – voltado não apenas ao público que nasceu ou adquiriu ao longo da vida algum problema físico, visual, auditivo, etc, mas também ao crescente número de idosos no país – movimentou cerca de 1,5 bilhão de reais em 2011. A projeção em 2012 é de elevação de 20% do faturamento. Os dados são do Grupo Cipa Fiera Milano, organizador da XI Feira Internacional de Tecnologias em Reabilitação, Inclusão e Acessibilidade (Reatech), que acontece até este final de semana em São Paulo. Com 300 expositores, a estimativa é que 48.000 pessoas passem pelos estandes do Centro de Exposições Imigrantes nos quatro dias de evento.O crescimento do mercado de tecnologia assistiva deve-se a uma conjunção de fatores: desde a melhoria geral do ambiente econômico, passando pelo aumento do emprego das pessoas com deficiência, até a ofertade crédito especial por alguns bancos (veja quadro com mais detalhes). Há ainda grande expectativa no setor em 2012 com o impacto do Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência (Viver sem Limite), lançado em novembro pelo governo federal. No Brasil, segundo dados preliminares do Censo de 2010, existem cerca de 45 milhões de pessoas com deficiência, o equivalente a 23% da população. O crescimento do mercado de tecnologia assistiva deve-se a uma conjunção de fatores: desde a melhoria geral do ambiente econômico, passando pelo aumento do emprego das pessoas com deficiência, até a ofertade crédito especial por alguns bancos (veja quadro com mais detalhes). Há ainda grande expectativa no setor em 2012 com o impacto do Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência (Viver sem Limite), lançado em novembro pelo governo federal. No Brasil, segundo dados preliminares do Censo de 2010, existem cerca de 45 milhões de pessoas com deficiência, o equivalente a 23% da população. Automóveis – O segmento de automóveis é um dos que mais tem se beneficiado com o interesse das pessoas com deficiência. Do total movimentado pelo mercado de produtos de tecnologia assistiva no ano passado, cerca de 800 milhões de reais originaram-se apenas da comprae adaptação de veículos. Além do desejo natural de conquistar independência de locomoção, as vendas são favorecidas por preços mais convidativos. Afinal, as PcD’s podem comprar carros com isenção de Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA). tradicionais de bens e serviços para PcD’s, como a Europa e os Estados Unidos, algumas empresas estrangeiras começam a traçar projetos de longo prazo para países emergentes como o Brasil. A prestigiada alemã Otto Bock – presente no mercado doméstico há 37 anos como fornecedora de próteses – começou a trazer mais recentemente para o país cadeiras de rodas e órteses (estruturas que auxiliam na melhoria das funções do corpo) e já faz novos planos. “Estudamos a possibilidade de ter uma produção local com o objetivo de fazer produtos mais adequados ao perfil do brasileiro”, afirma Wilson Zampini, diretor da empresa na América Latina. Enquanto não tem fábrica no país, a companhia reclama da demora para obter autorização de importação na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Mesmo que, muitas vezes, seus produtos já possuam certificações europeias e americanas, a demora do órgão para liberar um bem que se almeja trazer do exterior pode levar de seis meses a um ano. Procurada pelo site de VEJA, a agência explica que a demora na aprovação geralmente ocorre pelo não cumprimento das exigências. Programa governamental – Especialistas ouvidos pelo site de VEJA afirmam que o programa “Viver sem Limite” de 2011 coroa quase duas décadas de paulatino amadurecimento institucional em prol da inclusão plena da pessoa com deficiência na sociedade – e também na economia. Com previsão orçamentária de 7,6 bilhões de reais até 2014, o plano inclui linhas de financiamento para empresas especializadas em tecnologia assistiva, crédito para o consumidor final com juros inferiores aos de mercado, compras governamentais para adequação de escolas e moradias populares, além do fortalecimento de ações de reabilitação. As mudanças legais e econômicas nesta área são merecedoras de comemoração, mas ainda há muito a evoluir. “Os avanços são inegáveis, mas as condições de trabalho para as pessoas com deficiência, por exemplo, podem melhorar sobremaneira”, diz a consultora Carolina Ignara, da Talento Incluir, que ajuda empresas a contratar PcD’s. De acordo com ela, as principais dificuldades enfrentadas são a falta de cultura inclusiva no país, o reduzido entendimento sobre a Lei de Cotas e o déficit sociocultural da pessoa com deficiência. “Gestores despreparados pela cultura social, empresas contratando para cumprir cota e pessoas com deficiência sem saber seus direitos e deveres. Por isso, defendo que a inclusão deve investir em cultura. O entendimento leva ao respeito e aumenta as chances de sucesso”, completa. Deficiência x renda – De acordo com o Relatório Mundial Sobre Deficiência, da Organização Mundial de Saúde (OMS), há uma prevalência maior de deficiência em países de renda baixa que em nações de rendimento mais elevado. Grosso modo, os mais pobres, desempregados e com baixa qualificação profissional estão expostos a um risco mais alto de se enquadrar também nesta condição. “É preciso entender a deficiência como um fator que se insere na relação entre a limitação funcional e o ambiente em que ela está inserida”, diz Luis Mauch, coordenador-geral da Mais Diferenças, organização da Sociedade Civil (OSCIP) especializada em educação e cultura inclusivas. Na avaliação dele, esse mercado ainda tem muito a se expandir no Brasil em comparação a economias mais maduras, como a Alemanha, por exemplo, que investiu muito em políticas e tecnologia para inserir pessoas com deficiência no pós-guerra. “Quanto mais adequado for o ambiente, melhores ficam as condições para as pessoas com deficiência. Entender isso gera oportunidades e é bom para a economia. Essas pessoas querem ser incluídas e cobradas”, acrescenta. Impostos – Renato Laurenti, cadeirante há 28 anos e sócio da Comoir, empresa de e-commerce especializada em produtos para pessoas com deficiência, afirma que o poder público pode contribuir muito para esse mercado por meio da redução de impostos e desoneração da cadeia produtiva. Para ele, o número de empresas no mercado nacional ainda é restrito e, por isso, muitos artigos têm de ser importados. “Esse tipo de produto é prioritário, pois garante qualidade de vida e independência para essas pessoas, mas alguns ainda são muito caros”, diz. “Fico o dia inteiro sentado na minha cadeira. Se ela não for bem feita, com boa almofada, não aguento ficar. As cadeiras nacionais vêm melhorando, mas ainda não se comparam com as importadas em atributos como peso, conforto e mobilidade”, lamenta. A despeito de tantos problemas, cegos, surdos, pessoas com deficiência física, idosos com problemas de mobilidade, etc, conseguem viver melhor hoje que décadas atrás. A conquista é mérito de todos: legisladores, governos, entidades sociais, empresários e das próprias pessoas com deficiência. O futuro inspira esperança. Contudo, cabe ao poder público – municipal, estadual e federal – papel ainda mais destacado. Como muitos bens e serviços, pela combinação de oferta restrita e impostos altos, ainda têm preços proibitivos para a maioria da população com deficiência, os governos poderiam guardar parcela da exorbitante arrecadação de impostos para apoiar este grupo com políticas públicas. Na Europa, não é raro que um cadeirante vá a uma feira como a Reatech, escolha a cadeira de seus sonhos e volte para casa, onde redige o pedido para compra do equipamento a ser endereçado ao governante local. E o mais interessante é que ele é atendido. O Brasil ainda tem de avançar muito para chegar lá. Fonte:Veja Keywords:trabalho, economia, imposto, pessoas, deficiência

domingo, 22 de abril de 2012

Minha semana abençoada

Olá, pessoal, tudo joia? Hoje resolvi escrever uma coisa mais pessoal, porque a semana merece uma postagem. Acho que foi a melhor semana da minha vida. Vamos a ela então. Na segunda saiu o gabarito dos concursos que prestei para a prefeitura daqui. Passei para agente administrativo, e passei bem. Não sei se serei chamada, mas isso é o que menos importa, pois só de estar melhorando a cada concurso já fico bem feliz. O resto da semana foi meio esquisita. Mau humor, enjoos, dores na coluna até que chegou o sábado. Acordei mais feliz do que nos outros dias; e pra completar a minha alegria, eu estava sem falar com algumas pessoas da minha familia devido a alguns problemas que não vem ao caso comentar. Pois bem, essas pessoas voltaram a falar comigo. Cheguei a chorar de felicidade, pois a minha familia é meu combustivel. Sem minha familia eu não sou ninguém, minha felicidade não é completa. Mesmo que tenhamos nossos problemas eu os adoro e depois de um mês de felicidade incompleta, independente do que venha a acontecer, posso dizer outra vez que sou a pessoa mais feliz do mundo. Era isso, pessoal. Amanhã recomeço as postagens mais noticiarias. bjs e luz a todos!

terça-feira, 17 de abril de 2012

Desenvolvido no Rio Grande do Sul, aparelho que ajuda a "enxergar" promete auxiliar pessoas com deficiência visual

Deficiente visual, Carlos Alberto Wolke mostra como funciona o Vocalizer, que ele mesmo desenvolveuFoto: Miro de Souza / Agencia RBS Um aparelho do tamanho de um celular promete ser um grande avanço na vida de pessoas com deficiência visual. Desenvolvido por uma empresa de Taquara, no Vale do Paranhana, o dispositivo fotografa e transforma em áudio informações como valores de cédulas de dinheiro, cores, texto e até mesmo códigos de barras de produtos. Saiba mais Entenda como funciona o Vocalizer Equipamentos que cumprem uma das funções do Vocalizer, como foi chamado o aparelho produzido pela empresa Pináculo, existem no mercado. No entanto, nenhum deles reúne tantas funcionalidades – muito menos em um dispositivo pequeno, portátil e de fácil manuseio. Por seu caráter inovador, o projeto da empresa de Taquara recebeu R$ 1,3 milhão de subvenção da Financiadora de Estudos e Projetos do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (Finep). Deficiente visual há oito anos, o diretor da Pináculo, Carlos Alberto Wolke, buscava para si um aparelho que lhe desse maior autonomia no momento de realizar tarefas cotidianas. Procurando no mercado, notou que não havia nada semelhante ao que precisava. Se não havia como comprar, o empresário optou por desenvolver o projeto. Foram três anos trabalhando no protótipo, com investimento de R$ 1,9 milhão. — Eu precisava de algo que ajudasse em tarefas simples, como comprar algo. Eu queria saber quanto eu tinha de dinheiro na carteira, ou se estavam me dando o troco certo — lembra Wolke. Muito além de dinheiro, o software do Vocalizer reconhece e reproduz em áudio textos como livros, jornais e cardápios de restaurantes, lê arquivos digitais, funciona como tocador de mp3 e calculadora, detecta lâmpadas ligadas e grava recados em áudio. Todas as informações são reproduzidas por um altofalante do aparelho, e o usuário tem a opção de usar fones de ouvido. Novidade terá preço inicial de R$ 4 mil O projeto está em fase final de desenvolvimento. O protótipo passa por melhorias, e deve chegar ao mercado em três meses. Custará R$ 4 mil, valor que deve baixar após o lançamento. Toda a tecnologia foi desenvolvida pela Pináculo e possui software livre, permitindo que sejam construídos aplicativos para o sistema. Para a Associação de Cegos do Rio Grande do Sul (Acergs) um dispositivo do tipo pode facilitar toda a rotina de uma pessoa com deficiência visual. De acordo com a gerente da entidade, Fabiana Silva, não se tem notícia de algum produto no mercado que execute as tarefas propostas pelo Vocalizer. — Toda a pesquisa que se some para facilitar a vida é bem-vinda. Esse aparelho com certeza pode ajudar quem não enxerga — afirma Silva. ZERO HORA Pessoal, quem quiser me dar de presente o aparelhinho eu n fico brava, tá? bjinhos!

segunda-feira, 16 de abril de 2012

Crianças da nova hera II parte

Olá, pessoal. Ontem eu fiz uma postagem falando sobre as crianças indigo principalmente. agora falaremos um pouco sobre as crianças cristal. Boa leitura! Crianças da Nova Era INGRID CAÑETE Dando seqüência aos estudos sobre crianças da Nova Era, trazemos aqui algumas informações básicas sobre as Crianças Cristal, que são muito recentes no planeta e vibram em freqüência energética ainda mais elevada do que a dos Índigos. Quem nos fala dessa geração muito sutil é Ingrid Cañete, psicóloga especialista no tema, e representante do Brasil na Rede Latino Americana Índigos. Cristal: uma geração em auxílio aos Índigos Em artigo anterior “Crianças índigo e cristal”, falamos sobre as Crianças Índigo, e procuramos oferecer alguns esclarecimentos iniciais sobre esse tema. Agora, pretendemos seguir com ele e ampliá-lo falando sobre as Crianças Cristal, já que inúmeros são os pedidos e perguntas a respeito. Cabe esclarecer, primeiramente, que essas nomenclaturas são apenas uma terminologia utilizada para fazer referência a crianças e jovens que estão nascendo em número cada vez maior, em todo o planeta, e que possuem características físicas, psicológicas e espirituais diferentes. As Crianças Cristal são assim denominadas devido à uma determinada freqüência energética ainda mais elevada do que a dos Índigos e à uma coloração branco cristalina que compõe sua aura, ou seja, o campo energético que envolve seu corpo físico. Segundo a doutora Doreen Virtue (doutora em Filosofia, Metafísica e Conselheira psicológica, autora de mais de vinte livros nos Estados Unidos), as Crianças Cristal possuem uma aura multicolorida opalescente, com toques pastel, seria algo como ver um cristal de quartzo através de um prisma. Essa geração está chegando em número maior ao planeta Terra, desde 1995, e são crianças fascinadas pelos cristais e pedras, o que também está relacionado ao nome Cristal com que se faz referência a elas. As características destas crianças são as seguintes: - Possuem olhos grandes, um olhar intenso e profundo. - Possuem personalidades atraentes. - São muito carinhosos. - Começam a falar mais tarde na infância. - São dotados de um grande sentido musical e podem começar a cantar antes de falar. - Comunicam-se utilizando a telepatia e a linguagem de sinais, criada por eles mesmos. - São facilmente diagnosticados como autistas ou com síndrome de Asperger. - São emocionalmente equilibrados, doces e amorosos. - Perdoam facilmente aos demais. - São altamente sensitivos e empáticos. - Sentem forte conexão com a natureza e com os animais. - Mostram habilidades para a cura. - Grande interesse por cristais e pedras. - Falam freqüentemente com anjos, guias espirituais. - Manifestam memórias de vidas passadas. - São grandes artistas e muito criativos. - Preferem comidas vegetarianas e sucos de frutas ao invés de comida "normal". - Costumam ter um incrível sentido de equilíbrio e podem tornar-se hábeis alpinistas e exploradores. Sandra Aisemberg e Eduardo Melamud nos apresentam algumas diferenças entre Índigos e Cristais: - São mais sensíveis e delicados. - São mais perceptivos e com dons psíquicos mais ativados. - Possuem um acentuado sentido de propósito de vida global. - Demonstram congruência entre coração, mente, palavras e ações. - Possuem paixão pela vida, pelo amor, pela justiça. - Sentido agudo de serviço e de ajuda humanitária. - Não julgam, por natureza. - Forte sentido de humor. - Necessitam água, natureza, arte, roupas de fibra natural, exercícios físicos e de um ambiente seguro, tanto física quanto emocional, psíquica e espiritualmente. - Necessitam de adultos emocionalmente estáveis à sua volta. Diversos autores referem que as Crianças Cristal foram muito beneficiadas pela vinda anterior dos Índigos e que teriam preparado o ambiente provocando mudanças energéticas favoráveis à sua chegada. Quer dizer que os Índigos foram chegando e transformando, principalmente com sua presença, a energia mais densa do planeta em energia mais sutil, o que facilita de algum modo a chegada dos chamados Cristais. É importante comentar que muita confusão ainda é feita quando tentam separar Índigos de Cristais, para melhor explicar. Nós queremos contribuir para minimizar estas confusões e dúvidas. Na verdade, estamos presenciando e testemunhando a evolução da espécie humana neste planeta, e todos nós somos capazes de perceber que as crianças e jovens "não são mais os mesmos", nas palavras de alguns pais e de professores também. Quer dizer, percebemos que as crianças e jovens vêm evidenciando as mudanças de nossa espécie, sejam elas físicas, psicológicas ou espirituais, independente de sabermos qualquer coisa sobre Índigos ou Cristais. Existem adultos Cristais, assim como adultos em transformação, passando de Índigos para Cristais nesse momento, inclusive também os pais destas crianças em razão da convivência com elas, pois assim seu processo de evolução se acelera. Só que estes são em menor número ainda. Espectro da Consciência Universal Pois bem, todos nós sabemos que nossa essência é pura energia que se materializou sob forma de corpo humano e que tudo o mais que existe, sejam outros seres ou objetos, tudo é essencialmente energia materializada de diversas formas e com diferentes graus de consciência, certo? Então, para que fique mais fácil compreender essas questões ligadas aos Índigos e Cristais e suas respectivas freqüências, é preciso entender que, quanto mais evolui a espécie humana, mais ela expande sua consciência, e consciência é energia. Podemos falar em um espectro da consciência, conforme nos explicou Ken Wilber, e esse espectro é basicamente comparável, por analogia, à luz branca que, conforme a luz que incide nela, e conforme olharmos, veremos facetas e reflexos multicoloridos. Assim, também podemos dizer que os Índigos possuem a presença de uma coloração azul Índigo em sua aura porque eles acessam naturalmente essa freqüência, neste espectro da Consciência Universal e que os Cristais possuem uma predominância da coloração branco cristalina com reflexos multicoloridos porque eles acessam essas freqüências. Entretanto, essas freqüências estão disponíveis a todos nós, independente de sermos ou não Índigos ou Cristais. O que é preciso para acessá-las? É preciso que nos dediquemos a expandir nossa consciência, a buscar a nossa evolução espiritual. A convivência com os Índigos e Cristais acelera esse processo e, por isso eles, vieram e continuam vindo, justamente para acelerar o processo de evolução da humanidade. E já que falamos em espectro de consciência e de energia, me parece que fica mais fácil compreender que, antes da freqüência Índigo, existiram outras freqüências vibracionais e que, logo antes delas, veio a freqüência Índigo-Violeta que tinha como missão preparar o ambiente para os Índigos e que, agora, estão vindo os Cristais com a missão de ajudar os Índigos a promover a paz na Terra. E, é claro, já havia crianças e até mesmo adultos Cristais antes de 1995 na Terra, mas eram bem poucos, raros mesmo. O mais importante é entender que a espécie humana segue evoluindo e que, mais e mais, mudanças estarão ocorrendo e aparecendo em termos de características manifestas nos seres humanos. As Crianças Cristal são particularmente telepáticas, embora essa capacidade acentuada se manifeste também nos Índigos, o que os diferencia é apenas uma questão de grau, de intensidade. Aliás, como são telepáticas, ou seja, se comunicam direto de uma mente para outra, elas geralmente começam a falar mais tarde. O que nos indica que no futuro teremos um mundo onde as relações e comunicações se darão de forma mais rápida, mais instantânea e mais intuitiva e sensitiva, as palavras serão menos importantes. Normalmente elas se comunicam assim com os pais, encontram uma linguagem baseada em sinais aliada à telepatia, e tudo vai bem. Os problemas e dificuldades começam quando os profissionais de medicina ou educação começam a julgá-los e dizer que são anormais. Essa característica de comunicação telepática tem gerado interpretações errôneas por parte de professores, psicólogos, médicos, etc., e também muito sofrimento e constrangimento para as crianças e para os pais. É preciso que todos nós nos preparemos para aprender a conviver e aprender com estas novas gerações, é urgente que os pais ajudem a promover uma mudança nos modelos educacionais, que deve começar com uma transformação nos cursos que preparam professores, educadores, e é claro que médicos e psicólogos terão que se preparar também. Será preciso saber diagnosticar de forma correta e precisa, distinguindo bem um indivíduo Psicopata de um indivíduo Índigo, uma criança Autista de uma criança Cristal, pois esses diagnósticos são relativamente simples de se fazer desde que busquemos as informações e estejamos com a mente e com o coração abertos para receber essas informações e, principalmente, para receber esses seres diferentes e tão amorosos, tão pacíficos e iluminados. Eles vêm para dar amor, para promover a paz, a harmonia, basta que estejamos abertos e receptivos. Fonte: http://www.jornaldosespiritos.com Vale ressaltar que esse tema não é predominantemente espirita, mas todos que acreditam na espiritualidade e nas energias acreditam nessa nova leva de adultos e crianças.

domingo, 15 de abril de 2012

Crianças da nova hera

Olá, pessoal. Desde que começou a novela das 6 que começou a falar sobre as crianças da nova hera, me interessei pelo tema e resolvi procurar coisas sobre o assunto. Então, ai vai um pedaço de uma reportagem sobre essas novas crianças e adultos que retirei de um jornal espirita virtual. Crianças índigo e cristal INGRID CAÑETE CRIANÇAS E ESTRELAS Crianças são como estrelas, Na beira do mar. Crianças são lindos contornos deste belo mar O mar que nos banha e nos brinda com o seu cantar Crianças são belezas soltas Depois de uma explosão sincera Da energia vital. Crianças, ah crianças! O céu espera por elas enquanto nós não queremos vê-las sofrer. O céu anseia por recebê-las, e nós mal temos tempo de tê-las E, já queremos vê-las crescidas, amadurecidas e velhas. Prontas para um vôo solo, rumo ao eterno. Sem sabê-las , Sem conhecê-las e amá-las como Estrelas. (Ingrid Cañete) Os Índigos e Cristal representam a evolução do ser humano Eles personificam toda a grandeza e a essência divina do ser humano, preconizadas por diversas civilizações que nos antecederam na Terra e também pelos textos bíblicos. Eles representam a nova raça humana que está chegando em número crescente ao nosso Planeta. Os Índigos possuem características e atributos tanto de ordem física quanto psicológica e espiritual diferentes. Isso faz com que um grande número de pais e de educadores, quando perguntados, se manifestem afirmando categoricamente que as crianças e os adolescentes não são mais os mesmos! E, oferecem inúmeros depoimentos relatando o comportamento e a maneira de ser e de estar de um jeito muito diferente, no mundo. O que pode parecer para alguns menos informados ou desavisados apenas resultado das transformações de uma sociedade onde os valores estão confusos e invertidos e um sinal dos tempos, se revela muito mais do que isso a todo aquele que se detenha numa observação mais criteriosa e sensível. Os indícios são muitos e muito fortes de que nem os pais, nem o sistema educacional vigente estão preparados para se relacionar e ajudar no processo de formação saudável destes seres humanos. A preparação é necessária e urgente e para isso é preciso que a sociedade tome consciência destas mudanças e se organize através de grupos de profissionais ligados a educação e de pais para que possamos apoiar e oferecer a ajuda necessária para que os Índigos sejam respeitados em suas diferenças , ajudados e apoiados no sentido de realizarem seus dons e missão aqui. Os índigos são seres humanos com uma freqüência vibracional mais elevada e com uma consciência mais expandida. São extremamente sensíveis e sabem, no seu íntimo que vieram com uma missão muito importante para esse Planeta. Pode ser que eles só despertem e obtenham clareza sobre sua missão na vida adulta, porém eles trazem com eles essa noção e um profundo senso de missão. Os estudos e pesquisas assim como a prática de alguns profissionais no atendimento dos Índigos são ainda recentes, porém todos indicam que estamos diante de seres humanos diferentes que vieram para ajudar e acelerar o processo de transformação do nosso Planeta no sentido de sua evolução espiritual. Conforme Darío Bermudez (in Aisemberg, 2003), evidências em diferentes partes do mundo parecem indicar que novos seres estão chegando ao planeta, seres com um nível muito mais elevado de consciência. Eles estão vindo para “mudar”, para construir, para deixar para trás o obsoleto e nos ensinar uma nova visão de tudo, com uma matéria prima revolucionariamente óbvia: o amor. A primeira pessoa a identificar e escrever sobre o fenômeno Índigo, foi Nancy Ann Tappe, em seu livro “Understanding your life through color”, em 1980. Ela chamou de índigos aqueles seres nos quais identificou a cor Índigo em seu campo energético ou aura. Todos os seres humanos possuem um campo de energia que os circunda e cuja coloração varia de acordo com seu grau de consciência e com sua missão aqui na Terra. Sobre Nancy é importante destacar que é Professora na Universidade de San Diego State, EUA, è também Conferencista internacional com trabalhos realizados nos EUA, Canadá, Europa e Ásia. Parapsicóloga, Teóloga, Filósofa, sensitiva e canalizadora, submeteu seus dons paranormais de ver a aura humana, das plantas e dos animais a um acompanhamento científico, sob a direção de um psiquiatra americano, em San Diego. Dedicada ao estudo dos Índigos, descobriu neles essa qualidade de energia azul. Seus estudos e investigações tratavam de construir um perfil psicológico que pudesse resistir a crítica acadêmica. Na época, em 1980, seu colega e companheiro de pesquisa, o psiquiatra Dr. McGreggor, a chamou para ver seu filho que acabar de nascer, depois inúmeras dificuldades enfrentadas por ele e por sua mulher, para conseguir que ela engravidasse. Nancy foi ver o bebê e percebeu que ele tinha uma aura azul, cor que ainda não constava em seus registros e estudos de até então. O bebê não viveu por muito tempo mas Nancy passou a observar e estudar esta cor de aura, a partir daí. Segundo Nancy, o principal que descobriu sobre os Índigos é que eles não têm um plano de estudos, como nós temos e não terão até os 7 ou 8 anos de idade ou até mais. Somente por volta dos 26 ou 27 anos de idade se poderá observar uma grande mudança nos Índigos, ou seja, seu propósito estará aqui e passarão a ter clareza impressionante sobre o que estão fazendo. E os mais jovens virão com uma clareza muito grande sobre o que farão na vida. Algumas características dos índigos Conforme Doreen Virtue, Ph.D, conselheira científica nos EUA, você pode identificar uma Criança Índigo através das seguintes características principais: - Possuem alta sensibilidade. - Têm uma quantidade excessiva de energia. - Se aborrecem facilmente podendo aparentar que só mantém a atenção por curtos períodos de tempo. - Precisam de adultos seguros e emocionalmente estáveis. - Resistem a autoridade se ela não for democraticamente orientada. - Preferem aprender por métodos e caminhos não tradicionais e com prioridade a leitura e a matemática. - Podem frustrar-se facilmente pois têm grandes idéias mas lhes faltam recursos e pessoas que ajudem a concretizá-las. - Aprendem através da exploração, mas resistem a memorização pura e simples. - Não se mantém sentados por muito tempo a não ser que estejam absortos em algo do seu interesse. - São muito compassivos; têm muitos medos relativos a morte, especialmente a perda daqueles que ama. - Se experimentam o fracasso muito cedo, desistem ou desenvolvem bloqueios na aprendizagem. E, após todos esses anos de estudo e de observação, evidenciam-se para mim, alguns sinais claros de que estamos diante de uma criança “diferente”. Citarei alguns: - Não aceita o “não porque não”, como resposta. Exige argumentação sincera, plausível e não aceita “enrolação”. - Seu olhar é muito profundo. - Maturidade de um adulto. - Calma, paz interior. - Alto grau de energia que precisa ser investida. - Inteligência emocional e espiritual. - Não sentem medo. - Sabem quem são e o que vieram fazer aqui, conhecem sua vocação e missão de vida. - Liderança natural, reconhecida e não forçada. - Demonstram uma super sensibilidade. - São especialmente criativos. - Grande interesse ou mesmo atração por temas ligados a magia, percepção extrassensorial, misticismo, sentidos especiais e “super poderes”. Possuem amigos invisíveis com quem conversam e de quem recebem mensagens. Conversam com animais e segundo informam, os animais conversam com eles. Quem sou (Mensagem de um Índigo) Não me peçam para dizer Não me peçam para falar Apenas me permitam sentir Não digam o que devo pensar Nem pensem por mim Por favor. Não ousem afirmar quem eu sou Pois vocês não alcançariam Venho de um lugar distante, Milhas e milhas à frente Se desejam conviver comigo Estejam prontos para a aventura Aprender e ensinar. Se desejam me proporcionar O maior bem, a vida, Abram o coração, os ouvidos e todos os sentidos, Simplesmente,o seguirão. Abram o coração E permitam-me fazer o mesmo. É minha única linguagem, Minha única canção, O coração... (Ingrid Cañete) fonte: www.jornaldosespiritos.com/2007.3/col14.1.htm Na próxima postagem, falaremos sobre as crianças cristal. atenção, espiritas, isso daria uma ótima doltrinaria na minha humilde opinião. Espero que tenham gostado do tema.

sexta-feira, 6 de abril de 2012

Como lidar com as pessoas com deficiência

DICAS DE RELACIONAMENTO

Apresentamos a seguir algumas orientações que as pessoas podem seguir nos seus contatos com as pessoas com deficiência. Não são regras, mas esclarecimentos resultantes da experiência de diferentes pessoas que atuam na área e que apontam para as especificidades dos diferentes tipos de deficiências.


Como chamar

Prefira usar o termo hoje mundialmente aceito: “pessoa com deficiência (física, auditiva, visual ou intelectual)”, em vez de “portador de deficiência”, “pessoa com necessidades especiais” ou “portador de necessidades especiais”;
Os termos ”cego” e “surdo” podem ser utilizados;
Jamais utilizar termos pejorativos ou depreciativos como “deficiente”, “aleijado”, “inválido”, “mongol”, “excepcional”, “retardado”, “incapaz”, “defeituoso” etc.

Pessoas com deficiência física

É importante perceber que para uma pessoa sentada é incômodo ficar olhando para cima por muito tempo. Portanto, ao conversar por mais tempo que alguns minutos com uma pessoa que usa cadeira de rodas, se for possível, lembre-se de sentar, para que você e ela fiquem com os olhos no mesmo nível.
A cadeira de rodas (assim como as bengalas e muletas) é parte do espaço corporal da pessoa, quase uma extensão do seu corpo. Apoiar-se na cadeira de rodas é tão desagradável como fazê-lo numa cadeira comum onde uma pessoa está sentada.
Ao empurrar uma pessoa em cadeira de rodas, faça-o com cuidado. Preste atenção para não bater naqueles que caminham à frente. Se parar para conversar com alguém, lembre-se de virar a cadeira de frente para que a pessoa também possa participar da conversa.
Mantenha as muletas ou bengalas sempre próximas à pessoa com deficiência.
Se achar que ela está em dificuldades, ofereça ajuda e, caso seja aceita, pergunte como deve proceder. As pessoas têm suas técnicas individuais para subir escadas, por exemplo, e, às vezes, uma tentativa de ajuda inadequada pode até atrapalhar. Outras vezes, o auxílio é essencial. Pergunte e saberá como agir e não se ofenda se a ajuda for recusada.
Se você presenciar um tombo de uma pessoa com deficiência, ofereça-se imediatamente para auxiliá-la. Mas nunca aja sem antes perguntar se e como deve ajudá-la.
Esteja atento para a existência de barreiras arquitetônicas quando for escolher uma casa, restaurante, teatro ou qualquer outro local que queira visitar com uma pessoa com deficiência física.
Não se acanhe em usar termos como “andar” e “correr”. As pessoas com deficiência física empregam naturalmente essas mesmas palavras.

Pessoas com deficiência visual

É bom saber que nem sempre as pessoas com deficiência visual precisam de ajuda. Se encontrar alguém que pareça estar em dificuldades, identifique-se, faça-a perceber que você está falando com ela e ofereça seu auxílio.
Nunca ajude sem perguntar como fazê-lo. Caso sua ajuda como guia seja aceita, coloque a mão da pessoa no seu cotovelo dobrado. Ela irá acompanhar o movimento do seu corpo enquanto você vai andando. Num corredor estreito, por onde só é possível passar uma pessoa, coloque o seu braço para trás, de modo que a pessoa cega possa continuar seguindo você.
É sempre bom avisar, antecipadamente, sobre a existência de degraus, pisos escorregadios, buracos e outros obstáculos durante o trajeto.
Ao explicar direções, seja o mais claro e específico possível; de preferência, indique as distâncias em metros (“uns vinte metros à nossa frente”, por exemplo). Quando for afastar-se, avise sempre.
Algumas pessoas, sem perceber, falam em tom de voz mais alto quando conversam com pessoas cegas. A menos que ela tenha, também, uma deficiência auditiva que justifique isso, não faz nenhum sentido gritar. Fale em tom de voz normal.
Não se deve brincar com um cão-guia, pois ele tem a responsabilidade de guiar o dono que não enxerga e não deve ser distraído dessa função.
As pessoas cegas ou com visão subnormal são como você, só que não enxergam. Trate-as com o mesmo respeito e consideração dispensados às demais pessoas. No convívio social ou profissional, não as exclua das atividades normais. Deixe que elas decidam como podem ou querem participar.
Fique à vontade para usar palavras como “veja” e “olhe”, pois as pessoas com deficiência visual as empregam com naturalidade.


Pessoas com paralisia cerebral

A paralisia cerebral é fruto da lesão cerebral, ocasionada antes, durante ou após o nascimento, causando desordem sobre os controles dos músculos do corpo. A pessoa com paralisia cerebral não é uma criança, nem é portador de doença grave ou contagiosa.
Trate a pessoa com paralisia cerebral com a mesma consideração e respeito que você usa com as demais pessoas.
Quando encontrar uma pessoa com paralisia cerebral, lembre-se que ela tem necessidades específicas, por causa de suas diferenças individuais, e pode ter dificuldades para andar, fazer movimentos involuntários com pernas e braços e apresentar expressões estranhas no rosto.
Não se intimide, trate-a com naturalidade e respeite o seu ritmo, porque em geral essas pessoas são mais lentas. Tenha paciência ao ouvi-la, pois a maioria tem dificuldade na fala. Há pessoas que confundem esta dificuldade e o ritmo lento com deficiência intelectual.


Pessoas com deficiência auditiva

Não é correto dizer que alguém é surdo-mudo. Muitas pessoas surdas não falam porque não aprenderam a falar. Algumas fazem a leitura labial, outras não.
Ao falar com uma pessoa surda, acene para ela ou toque levemente em seu braço, para que ela volte sua atenção para você. Posicione-se de frente para ela, deixando a boca visível de forma a possibilitar a leitura labial. Evite fazer gestos bruscos ou segurar objetos em frente à boca. Fale de maneira clara, pronunciando bem as palavras, mas sem exagero. Use a sua velocidade normal, a não ser que lhe peçam para falar mais devagar.
Ao falar com uma pessoa surda, procure não ficar contra a luz, e sim num lugar iluminado.
Seja expressivo, pois as pessoas surdas não podem ouvir mudanças sutis de tom de voz que indicam sentimentos de alegria, tristeza, sarcasmo ou seriedade, e as expressões faciais, os gestos e o movimento do seu corpo são excelentes indicações do que você quer dizer.
Enquanto estiver conversando, mantenha sempre contato visual. Se você desviar o olhar, a pessoa surda pode achar que a conversa terminou.
Nem sempre a pessoa surda tem uma boa dicção. Se tiver dificuldade para compreender o que ela está dizendo, não se acanhe em pedir para que repita. Geralmente, elas não se incomodam em repetir quantas vezes for preciso para que sejam entendidas. Se for necessário, comunique-se por meio de bilhetes. O importante é se comunicar.
Mesmo que pessoa surda esteja acompanhada de um intérprete, dirija-se a ela, e não ao intérprete.
Algumas pessoas surdas preferem a comunicação escrita, outras usam língua de sinais e outras ainda preferem códigos próprios. Estes métodos podem ser lentos, requerem paciência e concentração. Você pode tentar se comunicar usando perguntas cujas respostas sejam sim ou não. Se possível, ajude a pessoa surda a encontrar a palavra certa, de forma que ela não precise de tanto esforço para transmitir sua mensagem. Não fique ansioso, pois isso pode atrapalhar sua conversa.


Pessoas com deficiência intelectual

Você deve agir naturalmente ao dirigir-se a uma pessoa com deficiência intelectual.
Trate-a com respeito e consideração. Se for uma criança, trate-a como criança. Se for adolescente, trate-a como adolescente, e se for uma pessoa adulta, trate-a como tal.
Não a ignore. Cumprimente e despeça-se dela normalmente, como faria com qualquer pessoa.
Dê-lhe atenção, converse e verá como pode ser divertido. Seja natural, diga palavras amistosas.
Não superproteja a pessoa com deficiência intelectual. Deixe que ela faça ou tente fazer sozinha tudo o que puder. Ajude apenas quando for realmente necessário.
Não subestime sua inteligência. As pessoas com deficiência intelectual levam mais tempo para aprender, mas podem adquirir muitas habilidades intelectuais e sociais.

Fonte: http://www2.camara.gov.br
Viu, pessoal, não é dificil lidar conosco. não somos bichinhos de 7 cabeças ou monstrinhos. leiam e sejam felizes!