sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Sentindo na pele

Bom dia, pessoal, tudo joia?
Hoje vim falar sobre algo que está mexendo um pouco com a minha estutura emocional, mas nada que não vá passar. Só preciso desabafar, e nem sei se vocês precisam ler.
De uns dias pra cá, tenho desistido de algumas coisas na minha vida. E não por comodismo, falta de vontade ou preguiça, como já escutei muito de pessoas que me conhecem bem, mas por causa das minhas dores e cansaço extremo. E por que cansaço extremo e dor? Seria bem legal se eu pelo menos soubesse, mas não sei. Aliás, nem eu sei e nem os médicos do Clinicas que me atendem há pelo menos 20 anos, e ainda por sima, tem uma pasta com meu histórico errado.
Desde pequena, não tive um desenvolvimento muscular normal, andando só a partir dos 03 anos. desde então, me submeto a vários exames, que chegam a duzentas conclusões diferentes, desde "você não tem nada, é falta de preparo físico" até "você nunca vai andar"..
Nunca tinha sofrido muito com isso, desde que eu não caminhasse longas distâncias, tava tudo certo. Agora, qualquer coisa que eu faça, qualquer tempo demais deitada, sentada ou parada, me cansa e provoca dores.
E por causa dessas dores, desisti de muitas coisas, como fazer uma viagem, estudar para concurso e outros compromissos.
Antes eu achava que algumas pessoas que ficavam deficientes, exageravam um pouco na depressão, se tornando até chatos; mas agora, sentindo na pele, não é exagero, pois é muito difícil ter que deixar coisas que você quer muito fazer, porque simplesmente, não consegue fazer.
Então, a partir de agora, não me comprometerei mais com nada, pois não vou mesmo conseguir cumprir na íntegra com os compromissos. E tabém porque não fazendo compromisso, também não me frustro.
Falei q o post ia ser chato; mas tava a fim de escrever, então, pra mim valeu como terapia.
PS: também é a última vez que passo aqui para reclamar, prometo. E isso sim, posso cumprir.

sábado, 29 de julho de 2017

EDUQUE SEU DRAGÃO

Oi, pessoal, tudo joia? Hoje vim falar de uma coisa que, devido à expansão da tecnologia, está se tornando cada vez mais frequente: a tal da sinceridade. Mas ser sincero é ruim?

Hoje todo mundo tem opinião sobre tudo, e faz questão de que ela seja ouvida ou lida. Eu mesma, uso esse blog para dar meus pitacos. Mas qual o problema?

O problema não está em opinar, mas em como se opina. As pessoas estão expondo suas opiniões sem perceberem o quanto isso vai magoar quem está à sua volta, totalmente sem escolher as palavras certas ou o momento certo; e isso tudo justifica-se dizendo: "falo mesmo, sou sincera".
e quando a pessoa se magoa, dizem: "as pessoas estão se melindrando por qualquer coisa", sem se pôr no lugar do outro e pensar: será que se alguém falasse dessa forma comigo eu também não ficaria magoado?
Outra situação é quando estamos precisando de um serviço. As pessoas acham que se alguém está sendo pago para te atender, também está sendo pago para aguentar seu mau humor, sua falta de educação e de respeito, sem pensar que quem está lhe atendendo é gente, que fica triste, que gosta de, só pra variar, ser tratada com respeito. Depois que comecei a trabalhar no atendimento ao público, entendo o que sofrem as pobres atendentes de telemarketing ou coisa parecida.
E xingar as pessoas pela internet ou falar suas opiniões de forma deseducada ou que faça com que o outro se magoe se tornou crônico nos grupos de whatsapp, facebooke de familiares e amigos ou coisas do gênero. Usam  a internet para falar tudo que pensam, destilar toda sua maudade, sem serem encarados frente a frente, E usam a mesma desculpinha barata de que as pessoas se melindram por pouco. Uma diquinha para os "sincerinhos" de plantão: antes de destilarem seu veneninho, pensem: se me falassem dessa forma, como eu me sentiria?
Então, continuem sendo sinceros, a sinceridade é sempre a melhor coisa do mundo; mas eduquem seu dragãozinho interior, ensine-o a se colocar no lugar do outro, a usar as palavras de forma construtiva, e não de forma agressiva. E se seu dragão insistir em ser deseducado ou simplesmente maléfico, mantenha seus dedos ou bocas calados, pois você pode ser pago com a mesma moeda; e acredite: quanto mais você insistir em não se colocar no lugar do outro, mais sozinho você acabará ficando, pois por mais que as pessoas sejam suas amigas e relevem por um tempo os maus tratos, um dia elas se cansam.

segunda-feira, 5 de junho de 2017

VOLTEI PRA MIM

Oi, pessoal, tudo bem?
Hoje o post é analítico, não mau humorado, como os últimos. Parte do princípio de que voltei pra mim mesma. Vou me explicar.
Há um tempo atrás, fiz um post falando que quem não curte uns momentos de ócio é porque está fugindo de si mesmo, de sua essência, de se curtir e curtir aos demais que estão à sua volta. Pois bem, aquilo que eu mesma condenava, eu estava fazendo, ou seja, inventava mil coisas pra fazer, pra preencher meu tempo e me cansar, até ficar com um sono incontrolável, cair na cama e simplesmente desmaiar. Aliás, ou eu tinha uma insônia sem fim ou eu apagava de tal forma que, se o mundo acabasse, eu só me daria conta quando estivesse mortinha da silva.
Sempre me inspirei na minha mãe e irmã, mentes inquietas que sempre estão fazendo algo, aprendendo coisas novas. Só que ao fazer isso, eu fazia tudo, mas não me aprofundava em nada, não fazia nada direito.
Além disso, minha natureza não é a daquelas pessoas hiperativas, que conseguem fazer de tudo um pouco, e tudo muito bem feito; tenho sim uma mente curiosa, e busco sempre aprender coisas novas, mas sabe aquela história de "eu tenho que estar inspirada pra fazer isso"? É como eu sou. Preciso estar a fim de fazer algo, sem rotina, sem obrigação, quando me der vontade. Sou muito inconstante, e aquilo que quero hoje, se tornar-se rotina, não é mais o que eu quero.
Se isso é bom ou ruim?Não sei, só sei que é essa minha natureza e cansei de fugir de mim mesma, da minha inconstância, de minha vontade de, as vezes, ver um filme idiota na TV ou visitar alguém, ou dormir, por que não?
Não sou a pessoa mais inteligente ou aplicada da familia, muito menos a mais adulta e madura, mas sou eu, a inconstante, meio imatura e até carente. E não vou mudar pra agradar a ninguém, como antes eu fazia. Não que alguém me cobrasse, eu é que me cobrava demais.
Mas agora, vou ser feliz sendo quem eu sou: a pessoa que é inconstante, que vai morar o resto da vida em Itaqui, graças a Deus, a preguiçosa e a imatura carente.
Tá, tenho qualidades também, mas não vou ficar aqui dando uma de narcisista e dizendo que sou isso ou aquilo. Mas quer saber, gosto de ser eu mesma, com todas as minhas qualidades e defeitos, pois meus defeitos é que me diferenciam das demais pessoas desse planetinha em crise.

Bjs e boa semana.

sexta-feira, 19 de maio de 2017

CONFUSA

Bom dia, pessoal. Tudo joia?To aqui, no trabalho, e enquanto o povo não acorda pra pedir suas demandas, vou escrevendo pra passar o tempo e pensando um pouco na vida. E de repente me veio uma confusão de sentimentos. confusão essa que eu venho tentando sufocar, mas não estou conseguindo lidar. Sei lá, parece que em vez de amadurecer, virei adolescente de novo.As pessoas esperam que você siga um padrão social, um padrão que não tem nada a ver com você. E de repente, parece que eu não pertenço a esse mundo, a esse planeta. Não, família, não é de vocês que to falando. Vocês, que sempre aceitaram o que eu sou, assim, sensivelzinha, confusa... anormal.Mas a sociedade em geral. Por exemplo: pra você, cego, encontrar um companheiro ou companheira, precisa ser independente, morar sozinho, ser espontânea, blablabla. E se o cego não se encaixa no padrão independente e descolado, será um fardo a vida toda, ou será execrado por seu grupo de cegos, que dirão que você é acomodado, relaxado, blablabla. Cego, ou qualquer outro deficiente, não tem direito de sentir medo, de ser confuso, se não, é visto como frágil demais, a ponto de ter medo de toda e qualquer coisa.E não temos direito de nos fragilizar de vez em quando, mas ser forte todo tempo cansa muito, desgasta muito. E daí eu, burrinha, internalizo as cobranças sociais e acaba que eu me cobro mais do que o resto da sociedade.Mas isso é só um momento ruim, um momento dificil que logo passa. A final, quem não teve seu momento confuso/

quarta-feira, 17 de maio de 2017

MINHAS LENTES COR-DE-ROSA

Olá, pessoal, tudo bem?
Bem, o título é um pouco infantil, mas tem uma explicação pra ele. Hoje é uma postagem meio melancólica, mas é um apanhado do que to sentindo.
Costumava ver as pessoas sempre com uma lente cor-de-rosa; a final, pra mim, todos tinham, a princípio, um lado bom predominante, bastava a a gente saber extrair esse lado legal. Claro que eu sei que o mundo não é lindo, nem pensava que tudo é perfeito, e sabia que nem todas as pessoas são felizes, mas preferia ver o lado feliz e generoso delas.
No entanto, ultimamente, minhas lentes cor-de-rosa ficaram preto-e-branco. Não costumo mais conseguir enxergar a bondade natural do mundo, nem tenho mais vontade de tentar extrair esse lado. Aliás, minhas lentes tão mais pra pretas do que brancas.
Será que as pessoas é que mudaram ou fui eu que saí do meu fantástico mundo de bob. Tem uma passagem do evangélio segundo o espiritismo que diz que as pessoas são nosso espelho, e tudo que nos incomoda nelas, é nosso próprio reflexo, nosso próprio defeito. Talvez o meu lado negro esteja mais evidente pra mim.
Quero voltar a ver a vida com a cor da Barbie, quero deixar minhas lentes preto e brancas pra um lado. Mas depois dos 30, acho que isso não é mais possível. O jeito é tentar dar um colorido maior a vida, que não será mais rosa, mas pelo menos, podemos misturar uma corzinha no seu preto e branco natural e enjoativo.
Prazer, Taís, chegou a maturidade!

domingo, 23 de abril de 2017

O saber que oprime

Boa tarde, pessoal, como estão?
Estava pensando no que postaria hoje, dai me deparei com uma postagem de um famoso, que deu uma pedrada verbal num seguidor, porque foi contestado por ele. E tenho reparado que, no geral, os famosos são assim.
Tenho uma opinião sobre isso: os ditos famosos pensam que tem um nivel intelectual maior do que os demais pensantes da face da terra, e por isso, não podem ser contestados, porque, invariavelmente eles estão, sim, certos e nós, pobres mortais, invariavelmente estamos errados.
E não são só os famosos que agem dessa forma. Conheço muitas pessoas que, por ter um cargo maior, ou por estudarem mais, acham que são melhores do que as pessoas que o cercam. São chefes qe tratam seu subordinado como uma bactéria, e nem sempre são, intelectualmente mais preparados, estão lá por indicação; ou pessoas que, só porque tem um curso universitário, se acham mais inteligentes e acertivos do que seus amigos e familiares.
Tenho uma pra vocês, seus lindos: ser mais estudado ou ter cargo maior, não significa maior sabedoria. E nem idade é sinônimo de sabedoria; Isso tem mais a ver com experiências de vida. Meu avô, que não tem o ensino fundamental completo, por exemplo, sabe muito mais de matemática ou da vida do que todos nós, que temos ensino superior. E quer saber, ele me ensinou matemática muito mais exemplificativo do que muito professor de matemática que eu hjá tive.
Então, respeitemos a opinião alheia, porque o certo ou errado, não tem a ver com conhecimento de sala de aula, com o quanto você é famoso ou com o tamanho do cargo que você ocupa. O certo ou o errado depende da visão de cada um de nós, depende da opinião e do conhecimento de cada um; e opinião, cada um tem a sua; e conhecimento só se adquire com o tempo.