segunda-feira, 5 de junho de 2017

VOLTEI PRA MIM

Oi, pessoal, tudo bem?
Hoje o post é analítico, não mau humorado, como os últimos. Parte do princípio de que voltei pra mim mesma. Vou me explicar.
Há um tempo atrás, fiz um post falando que quem não curte uns momentos de ócio é porque está fugindo de si mesmo, de sua essência, de se curtir e curtir aos demais que estão à sua volta. Pois bem, aquilo que eu mesma condenava, eu estava fazendo, ou seja, inventava mil coisas pra fazer, pra preencher meu tempo e me cansar, até ficar com um sono incontrolável, cair na cama e simplesmente desmaiar. Aliás, ou eu tinha uma insônia sem fim ou eu apagava de tal forma que, se o mundo acabasse, eu só me daria conta quando estivesse mortinha da silva.
Sempre me inspirei na minha mãe e irmã, mentes inquietas que sempre estão fazendo algo, aprendendo coisas novas. Só que ao fazer isso, eu fazia tudo, mas não me aprofundava em nada, não fazia nada direito.
Além disso, minha natureza não é a daquelas pessoas hiperativas, que conseguem fazer de tudo um pouco, e tudo muito bem feito; tenho sim uma mente curiosa, e busco sempre aprender coisas novas, mas sabe aquela história de "eu tenho que estar inspirada pra fazer isso"? É como eu sou. Preciso estar a fim de fazer algo, sem rotina, sem obrigação, quando me der vontade. Sou muito inconstante, e aquilo que quero hoje, se tornar-se rotina, não é mais o que eu quero.
Se isso é bom ou ruim?Não sei, só sei que é essa minha natureza e cansei de fugir de mim mesma, da minha inconstância, de minha vontade de, as vezes, ver um filme idiota na TV ou visitar alguém, ou dormir, por que não?
Não sou a pessoa mais inteligente ou aplicada da familia, muito menos a mais adulta e madura, mas sou eu, a inconstante, meio imatura e até carente. E não vou mudar pra agradar a ninguém, como antes eu fazia. Não que alguém me cobrasse, eu é que me cobrava demais.
Mas agora, vou ser feliz sendo quem eu sou: a pessoa que é inconstante, que vai morar o resto da vida em Itaqui, graças a Deus, a preguiçosa e a imatura carente.
Tá, tenho qualidades também, mas não vou ficar aqui dando uma de narcisista e dizendo que sou isso ou aquilo. Mas quer saber, gosto de ser eu mesma, com todas as minhas qualidades e defeitos, pois meus defeitos é que me diferenciam das demais pessoas desse planetinha em crise.

Bjs e boa semana.

sexta-feira, 19 de maio de 2017

CONFUSA

Bom dia, pessoal. Tudo joia?To aqui, no trabalho, e enquanto o povo não acorda pra pedir suas demandas, vou escrevendo pra passar o tempo e pensando um pouco na vida. E de repente me veio uma confusão de sentimentos. confusão essa que eu venho tentando sufocar, mas não estou conseguindo lidar. Sei lá, parece que em vez de amadurecer, virei adolescente de novo.As pessoas esperam que você siga um padrão social, um padrão que não tem nada a ver com você. E de repente, parece que eu não pertenço a esse mundo, a esse planeta. Não, família, não é de vocês que to falando. Vocês, que sempre aceitaram o que eu sou, assim, sensivelzinha, confusa... anormal.Mas a sociedade em geral. Por exemplo: pra você, cego, encontrar um companheiro ou companheira, precisa ser independente, morar sozinho, ser espontânea, blablabla. E se o cego não se encaixa no padrão independente e descolado, será um fardo a vida toda, ou será execrado por seu grupo de cegos, que dirão que você é acomodado, relaxado, blablabla. Cego, ou qualquer outro deficiente, não tem direito de sentir medo, de ser confuso, se não, é visto como frágil demais, a ponto de ter medo de toda e qualquer coisa.E não temos direito de nos fragilizar de vez em quando, mas ser forte todo tempo cansa muito, desgasta muito. E daí eu, burrinha, internalizo as cobranças sociais e acaba que eu me cobro mais do que o resto da sociedade.Mas isso é só um momento ruim, um momento dificil que logo passa. A final, quem não teve seu momento confuso/

quarta-feira, 17 de maio de 2017

MINHAS LENTES COR-DE-ROSA

Olá, pessoal, tudo bem?
Bem, o título é um pouco infantil, mas tem uma explicação pra ele. Hoje é uma postagem meio melancólica, mas é um apanhado do que to sentindo.
Costumava ver as pessoas sempre com uma lente cor-de-rosa; a final, pra mim, todos tinham, a princípio, um lado bom predominante, bastava a a gente saber extrair esse lado legal. Claro que eu sei que o mundo não é lindo, nem pensava que tudo é perfeito, e sabia que nem todas as pessoas são felizes, mas preferia ver o lado feliz e generoso delas.
No entanto, ultimamente, minhas lentes cor-de-rosa ficaram preto-e-branco. Não costumo mais conseguir enxergar a bondade natural do mundo, nem tenho mais vontade de tentar extrair esse lado. Aliás, minhas lentes tão mais pra pretas do que brancas.
Será que as pessoas é que mudaram ou fui eu que saí do meu fantástico mundo de bob. Tem uma passagem do evangélio segundo o espiritismo que diz que as pessoas são nosso espelho, e tudo que nos incomoda nelas, é nosso próprio reflexo, nosso próprio defeito. Talvez o meu lado negro esteja mais evidente pra mim.
Quero voltar a ver a vida com a cor da Barbie, quero deixar minhas lentes preto e brancas pra um lado. Mas depois dos 30, acho que isso não é mais possível. O jeito é tentar dar um colorido maior a vida, que não será mais rosa, mas pelo menos, podemos misturar uma corzinha no seu preto e branco natural e enjoativo.
Prazer, Taís, chegou a maturidade!

domingo, 23 de abril de 2017

O saber que oprime

Boa tarde, pessoal, como estão?
Estava pensando no que postaria hoje, dai me deparei com uma postagem de um famoso, que deu uma pedrada verbal num seguidor, porque foi contestado por ele. E tenho reparado que, no geral, os famosos são assim.
Tenho uma opinião sobre isso: os ditos famosos pensam que tem um nivel intelectual maior do que os demais pensantes da face da terra, e por isso, não podem ser contestados, porque, invariavelmente eles estão, sim, certos e nós, pobres mortais, invariavelmente estamos errados.
E não são só os famosos que agem dessa forma. Conheço muitas pessoas que, por ter um cargo maior, ou por estudarem mais, acham que são melhores do que as pessoas que o cercam. São chefes qe tratam seu subordinado como uma bactéria, e nem sempre são, intelectualmente mais preparados, estão lá por indicação; ou pessoas que, só porque tem um curso universitário, se acham mais inteligentes e acertivos do que seus amigos e familiares.
Tenho uma pra vocês, seus lindos: ser mais estudado ou ter cargo maior, não significa maior sabedoria. E nem idade é sinônimo de sabedoria; Isso tem mais a ver com experiências de vida. Meu avô, que não tem o ensino fundamental completo, por exemplo, sabe muito mais de matemática ou da vida do que todos nós, que temos ensino superior. E quer saber, ele me ensinou matemática muito mais exemplificativo do que muito professor de matemática que eu hjá tive.
Então, respeitemos a opinião alheia, porque o certo ou errado, não tem a ver com conhecimento de sala de aula, com o quanto você é famoso ou com o tamanho do cargo que você ocupa. O certo ou o errado depende da visão de cada um de nós, depende da opinião e do conhecimento de cada um; e opinião, cada um tem a sua; e conhecimento só se adquire com o tempo.

domingo, 19 de março de 2017

A HORA DA VERDADE



Oi, pessoal, tudo joia?
Hoje vim falar sobre um assunto que está em pauta no momento. É quanto à corrupção no Brasil. E nem tô falando só da parte política. Tô falando até mesmo a existente entre funcionários públicos, pessoas comuns, enfim, de todo o tipo de corrupção.
Muita gente diz que o Brasil está vivendo uma crise ética nunca antes vista na história desse país. E eu diria que isso não é totalmente verdade. Já explico porque.
Na minha visão, e vejam só, isso é só o meu ponto de vista, não a verdade absoluta; na minha visão, a corrupção não nasceu com Lula, Dilma e sua trupe. Para mim, a corrupção já existia; aliás, existe desde os tempos do império. O que mudou foi a publicidade que se deu a corrupção atual. Com o advento da internet, onde as notícias chegam ao público quase que instantaneamente, tudo toma uma proporção maior do que realmente é; ou tudo parece ser inédito.
E quanto a crise ética, eu não chamaria o que estamos vivendo de crise ética, mas sim, de colocar as coisas em seus devidos lugares. Agora, a PF pode investigar sem medo de sofrer represálias, temos a certeza de que os corruptos, ou boa parte deles, serão punidos. A final de contas, quantos presos já temos na operação Lava Jato? Ou do leite com soda cáustica?
Enfim, na minha visão, a hora da verdade para o Brasil e os brasileiros chegou. Todo corrupto será punido e toda a corrupção será descoberta. Graças a essa nova geração de juízes e policiais federais destemidos. E principalmente, graças a você, democracia, sua linda!
Então, vejamos nisso tudo o lado bom, voltemos nossos olhos para o lado positivo disso tudo. Deixemos nosso negativismo habitual de lado e celebremos esse momento que o país está vivendo, onde a verdade prevalecerá acima de tudo!

sábado, 4 de março de 2017

MANUAL DE INSTRUÇÕES

Oi, pessoal, tudo joia? Hoje vim fazer uma nova postagem sobre a cegueira. Será sobre coisas que pensam sobre nós, e que nem sempre são verdadeiras. E como eu sei que as pessoas pensam determinadas coisas? É porque elas, pensando que cego é surdo, pensam em voz alta. Então, vamos aos pensamentos errados sobre os cegos?
*Primeiro, quando um cego estiver parado e você oferecer uma cadeira, e ele recusar,não se chateie; o cego tem problemas apenas nos olhos, na maioria das vezes, então,se não queremos sentar é porque simplesmente, não queremos e pronto!
*Não me diga o que eu consigo ou não fazer, a final, o cego sou eu, e quem sabe os meus limites sou eu. Se houver algo que eu quero fazer, e você acha que eu não consigo, apenas preste a atenção para que eu não me machuque e me deixe tentar! Isso também vale para quando o cego liga para fazer um determinado curso, dai o dono do curso diz: "você não vai conseguir acompanhar a turma". Pô, se eu liguei para pedir o curso, é porque eu sei que posso acompanhar. Agora, se você não se sente apto para ajudar o cego, diga a verdade. Com boa vontade por parte do vidente, nós podemos lhe mostrar como tornar nossa vida mais fácil.
*Se você achar que o cego precisa de ajuda, pergunte; se ele recusar, é porque ele realmente não precisa de ajuda. Se o cego precisar de ajuda, ele vai lhe pedir. E quando o cego quiser andar por um lugar desconhecido, vá o orientando, sem querer levá-lo pelo braço; isso facilita para que o cego crie um mapa mental, e mais rapidamente consiga reconhecer o novo ambiente. Mas é claro, se tiver obstáculos no caminho, o avise.
*E falando em obstáculos, não precisa adaptar o ambiente para receber o cego. Ele pode perfeitamente se adaptar a ele. Vamos bater as canelas, a cabeça, machucar, mas como eu costumo dizer, o cego é de aço, a prova de machucados. E falando em machucados, não precisa fazer escândalo quando nos machucamos, ficamos constrangidos com isso; a não ser que realmente seja grave, não pirem!
*Cegueira não é sinal de santificação da pessoa; falamos palavrões,, gostamos de piadas sacanas; além disso, tem cego bonzinho, cego canalha, cega santinha, cega periguete... Nossa cegueira não define nossos gostos e nosso caráter. E sim, falamos de sexo!
*E falando nisso, pasmem, nós fazemos sexo! Sim, não somos celibatários, a não ser que haja um cego padre ou freira. Sentimos atração pelas pessoas, claro, não pelos seus lindos olhos ou pelo seu corpo escultural, mas pela sua voz, seu jeito de ser, de falar, pela sua personalidade; a atração para o cego é muito subjetiva. E quando nos atraimos por uma pessoa que enxerga, não é porque estamos carentes, mas sim porque ele realmente, tem algo que a pessoa acha interessante.
*Afinal de contas, não somos deficientes mmentais ou coitadinhos de umas marionetes, que todo mundo nos manipula. Quando um vidente se sentir atraído por uma pessoa cega, não quer dizer que ela é uma depravada, que se aproveita do pobre ceguinho, que além de cego, não sabe discernir o certo do errado. É só que ele, ao contrário de você, vê além dos estereótipos. E se o cego resolve namorar ou ficar, com um vidente, não é por carência, ou fragilidade, ou por não saber o que é melhor pra si; é porque a atração é mútua. Temos vontade própria, capacidade intelectual, na maioria das vezes, normal, não somos amebas.
*Alguns cegos, como eu, gostam de adrenalina, então não proteja-nos contra as rodas-gigantes, montanhas-ruças ou coisas do gêfnero. Como eu disse antes, temos vontade própria, lembra?
Enfim, somos pessoas iguais as outras. Temos nossas limitações sim, temos nossas dúvidas, como qualquer mortal. Não somos nem super-heróis nem coitadinhos, nem exemplos de superação; só somos pessoas sem visão, que nos adaptamos ao que a vida nos deu, como qualquer pessoa faria.
Espero que esses esclarecimentos ajudem a você, que conhece uma pessoa cega, a trata-la como alguém normal, e não como alguém inferior ou superior a você. E qualquer dúvida, pergunte a pessoa, ela não vai se zangar ou se constranger.
PS: cegos, geralmente, tem erros de ortografia, já que temos pouco acesso a livros físicos; de minha parte, pode me corrigir, eu agradeço muito.

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

TUDO QUE VOCÊ QUERIA SABER SOBRE O CEGO, MAS NUNCA PERGUNTOU



Oi, pessoal, como vão vocês?
Hoje vim falar sobre algumas perguntas que todos tem curiosidade de saber sobre o cego, e que sempre pergunta ao companheiro dele.
Já deixando bem claro que cego, na maioria das vezes, não é surdo, então, não precisa falar conosco ou sobre nós, como se não estivéssemos presentes. Na maioria das vezes, ficamos magoados ou constrangidos com essa atitude.
"Ele toma banho sozinho?" Sim, o cego, todo cego, toma banho sozinho. A final de contas, através do tato, temos como guiar a esponja e o sabonete pelo nosso corpo e saber qual parte está sujo. Assim como a cabeça também lavamos sozinhos. Lavar o cabelo pode ser um pouco mais complicado, já que a quantidade de cabelos, quando muito grande ou volumoso, pode fazer com que não tenhamos muita noção se lavamos bem o couro cabeludo; mas isso um vidente dá sempre um toque. Claro, estou falando especificamente do meu cabelo, que é muito crespo.
"Ele escolhe suas roupas?" Vamos por partes: para comprarmos a roupa, logicamente, precisamos da ajuda de um vidente para descreve-las para a pessoa cega. Além disso, a pessoa que enxerga pode dizer se a roupa é bonita ou não. na hora de experimentarmos as roupas é que iremos saber se tal ou tal roupa fica ou não confortável. Já com a roupa comprada, sim, escolhemos as roupas sozinhos, já que sabemos que cor é a roupa, como podemos combinar.
O legal é sempre comprarmos a blusa mais colorida e a calça ou bermuda ou saia,, mais neutra.
"Como eles SABEM CORES?"  Bem, como eu vejo o claro e o escuro, minha mãe me deu noção de cores pela minha percepção de luz. Ou pode ser tipo: vermelho é uma cor forte, branco é uma cor mais neutra, e assim por diante.
"Ele vê luz?" Bem, essa resposta é bem pessoal. Nem todo cego vive na escuridão, como costumam dizer os repórteres da tv; eu, por exemplo, tenho percepção de luz, meus irmãos também; mas outros cegos não tem qualquer percepção de luminosidade. Portanto, é bom sempre perguntar à pessoa.
"Como ele reconhece às pessoas?" Quando a pessoa é bem conhecida, a conhecemos pelo barulho dos passos, o cheiro; quando não, reconhecemos pela voz. Mas quando não vemos a pessoa com frequência, daí pode ser que não a reconheçamos logo de cara; por isso, se você não convive muito com o cego, é bom sempre dizer seu nome. Mas se a convivência é frequente, não se faz necessário a identificação.
"Ele penteia o cabelo, escova os dentes, come sozinho?" sim, fazemos toda nossa higiene pessoal  e comemos sozinhos. Quanto aos cabelos, precisamos da ajuda de quem enxerga pra sabermos se o cabelo está bem arrumado ou quando precisamos ir a uma festa, por exemplo. Eu particularmente, não sei fazer penteados como transas ou coques; por isso, cortei meu cabelo bem curtinho. mas isso depende da pessoa.
"Como ele assiste a tv, se ele não enxerga?" Não enxergo, mas ouço. Pelas falas das pessoas, conseguimos acompanhar todos os acontecimentos na tv. Nas novelas, por exemplo, é fácil saber quando o casal está se beijando, por exemplo. Mas para filmes, a audiodescrição é uma ferramenta maravilhosa para que não percamos o fio da meada, principalmente porque no final, não há muitas falas pra dizer como terminou.
Quem judia do cego é o narrador de futebol, quando o jogo ta rolando e ele fica lá, falando qualquer besteira, menos narrando o jogo. Nesse caso, o rádio é nosso companheiro inseparável!
Bem, bonitos, por enquanto é isso. Se lembrarem de outra pergunta, podem fazer nos comentários. Ao contrário do que vocês pensam, as perguntas não nos constrangem ou ofendem, estamos sempre abertos a responder qualquer curiosidade. 

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

E A TAL DA EMPATIA?

Oi, pessoal. Hoje vim falar de algo que está me incomodando muito ultimamente: a ausência do sentimento chamado empatia.
A empatia é a capacidade que alguém tem de se colocar no lugar do outro, de se ver na situação pelo qual o outro passa. Empatia significa entrar no sentimento.
Porém, vejo que na humanidade atual, ela está em falta, diria até em extinção. E isso ficou mais claro no último mês, quando presidiários foram mortos, decaptados e esquartejados no norte do país, e eu ouvi e li coisas como: "tem mesmo que morrer", ou "se eu fosse a policia, trancava todo mundo e deixava que se matassem".
A desculpa principal para esse comentário é: "eles mataram, roubara. Se não tivessem feito o que fizeram, não estariam lá.". E sim, concordo que estar lá foi uma dessas escolhas erradas que fazemos em nossa vida; mas não posso esquecer também que essas pessoas tem famílias. Tem mãe, pai, irmãos, esposas e filhos, e me coloco no lugar desses familiares, que perderam os seus de forma tão animalesca. E se um deles tivesse matado dessa forma um dos meus? E se um dos presos fosse da minha família, como eu me sentiria? Ou será que nos julgamos assim tão perfeitos, a ponto de acharmos que nunca passaremos por isso?
Outra ocasião em que sinto falta da tal empatia é agora, com a morte da ex-primeira-dama. Concordo que o Lula roubou, por causa de seus roubos, muita gente morreu nas filas dos hospitais, e todo o blablablá que já sei de cor e até concordo; mas e se seus pais fossem políticos, ladrões, e um deles morresse, você comemoraria a morte deles, pois a final, eles merecem morrer? E você gostaria de ler na internet que seus pais mereciam morrer mesmo? Acho que não, né?
Não deixemos se extinguir a empatia, nos coloquemos no lugar do outro antes de julgarmos alguém. Antes de agirmos, pensemos mais, pois nossas crianças estão tendo um péssimo exemplo.
O que queremos para a próxima geração: pessoas caridosas ou terroristas e sanguinários impiedosos? O que estamos fazendo com nosso mundo? E principalmente, onde está nosso amor e nossas crenças cristãs? Pensemos nisso.

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

Minha primeira vez

Oi, pessoal.Tudo bem? É, duas postagens na semana é um milagre, mas só pra vocês verem como as férias renderam. Agora vou estar seguido por aqui, já que meu soninho da tarde foi sumariamente proibido.
Mas vamos ao que interessa, a postagem de hoje. Em nossa vida, as primeiras vezes são quase uma constante. A primeira palavra, a primeira vez que damos um passo, a primeira comida, o primeiro beijo, a primeira vez que fazemos sexo, e daí por diante. Algumas dessas primeiras vezes não são tão legais assim, mas depois que a repetimos se tornam interessantes, pois já sabemos como agir ou fazer e sabemos onde precisamos melhorar para que ela se torne cada vez melhor.
E das minhas muitas primeiras vezes, falarei de minha primeira ida ao cinema. e melhor, assistindo a um filme audiodescrito.
Fomos assistir ao filme "minha mãe é uma peça II", e instalei no celular um aplicativo que vai descrevendo o que aparece na tela do cinema, cincronizadamente. Nunca deixei de assistir TV, ver filmes--sim, apesar de ser cega, uso a palavra ver, porque vejo de outra forma, mas isso explico depois--, ou fazer qualquer outro programa que uma pessoa que enxerga faz; mas se sentir incluída, saber o que está acontecendo naquela hora que todos riem e você, sem a audiodescrição, não faria idéia do que estão rindo, não tem preço.
Conseguir entender o filme, rir nas horas certas, meu Deus, foi a melhor coisa. Ja assisto filmes com audiodescrição, mas como na minha TV não tem o recurso, assisto sozinha, o que é legal, mas não é a mesma coisa que assistir com a sua familia, poder comentar a cenas.
Por enquanto, esse aplicativo só funciona com filmes brasileiros, ou seja, quando estiver passando no cinema um filme brasileiro, o cego pode ir; porém, para filmes internacionais, ainda não temos esse recurso tudo de bom.
A justificativa para não haver audiodescrição nos filmes é o preço, já que esse profissional cobra por hora e precisa ser especializado na área. Mas se soubessem o quanto esse simples fato de descrever a um filme faz alguém feliz, faz alguém se sentir igual aos demais, sem nenhuma deficiencia,não se importariam em pagar o que fosse para isso.
De todas as primeiras vezes de minha vida, essa foi uma das melhores da minha vida. E aqui fica um apelo: se alguém da área de comunicação ler esse humilde blog, Por Favor, nos ajudem a lutar pela audiodescrição. Farão muitas pessoas muuuuuuuuuuuito felizes.