terça-feira, 22 de setembro de 2015

FOCO

Olá, pessoal, como vão?
Estou outra vez em um momento de recomeço, de análise na minha vida, literalmente falando,, e descobri algumas coisas sobre mim, que preciso mudar; e uma delas é a falta de foco.
Adoro  música, e meu sonho sempre foi aprender teclado. Minha mãe conseguiu pagar o teclado pra mim, comecei a fazeras aulas; porém, logo me intediei e parei de aprender, sem ter saido das primeiras notas. Só de pensar em chegar perto do teclado, me dá preguiça, me desanima, e não é por não gostar mais de tocar, e sim, por puro tédio.
E isso demonstra minha falta de comprometimento com muita coisa na vida, o que não deixa com que meus recomeços virem uma continuidade, uma vez que eu não dou continuidade a minha vida. E sinceramente, não sei se um dia irei mudar.
E eu até acho q sei porque faço isso: porque tudo que possa me colocar em evidencia me assusta. E eu nunca tinha visto isso sob essa perspectiva. De repente, muita coisa está clareando na minha mente.
Isso vai servir para que eume  policie mais e não tenha medo do desconhecido.
A partir de agora, mesmo com medo, voucomeçar a ter foco, disciplina, terminar oque começo e principalmente, não ter medo de errar, de aparecer mais, de ser eu mesma. Hoje começa uma nova fase na minha vida, que espero, pela primeira vez em 29 anos, dar continuidade.

domingo, 23 de agosto de 2015

Bossa

Olá, pessoal, tudo joia?
Hoje vim falar do quanto nós as vezes nos sentimos tão admiradas por uma pessoa, que acabamos vendo nossos defeitos mais do que nossas qualidades.
Um exemplo: uma pessoa que é muito apegada a família, mais frágil, mais quietinha, admira alguém que é corajoso, sabe o que quer e onde chega, leva a luz e sua presença se torna marcante. O problema não está em a pessoa admirar a outra, mas o quanto as pessoas comparam uma pessoa com a outra.
E aquela que não se sobressai vira "a sem sal", "a imatura", "a dependente" e "essa pessoa- a quieta-, não vai conseguir ir muito longe". E as pessoas não fazem isso por querer, fazem isso porque a sociedade valoriza aquele que consegue se impor de forma mais agressiva, não percebendo que existem mais maneiras de se impor e conseguir o que se quer.
eu mesmo, muitas vezes, já fiz isso. Mas ouvi uma música que me fez notar que cada um tem seu encanto, sua forma de viver. E essa forma não precisa ser aquela que a sociedade admira, não existe forma certa ou errada de viver. A maneira certa de viver é seguir seus princípios, seu coração, sua verdade.
E abaixo, vai a letra da música, pra refletirmos. A música é do Cidadão quem, pra quem quiser procurar e ouvir. Bjs e espero que gostem.

Bossa
Cidadão Quem

Atenção
As pessoas não precisam
Ser iguais as outras
Aceite ou não
Mas você é a única
No mundo assim
Uns são mais  
Coordenados, determinados
Obsecados
E outros atrás
Vão levando a vida
E quem ousa dizer
Que é pior
Há quem construa os aviões
Escreva as revistas
Outros dedilham violões
(Refrão):
Eu digo
Hei!
Você que sabe tudo
Me diga como perguntar
Se eu não sei
Você que pensa em tudo
Me mostre o quanto pode amar

terça-feira, 18 de agosto de 2015

Mente Traiçoeira

Olá, pessoal. Hoje vim escrever mesmo pra usar como válvula de escape. Porque nossa mente é muito traiçoeira e nos prega peças em horas bem impróprias.
A mente humana, infelizmente, por mais que tentemos, não conseguimos controlar. E eu acho que isso não é exclusividade minha- os pensamentos e sentimentos fora de hora-, acredito que todo mundo tenha esses momentos. De repente, você lembra de coisas que estavam no baú das memórias para esquecer, ou bate aquela ansiedade ou irritabilidade sem motivo. E o que fazer com isso?
Tenho lido  livros sobre autoconhecimento, energias positivas, autocontrole, mas dificilmente consigo aplicar o que os livros dizem. E como espírita, sei que somos o que pensamos.
Daí fica minha dúvida: será realmente possível controlar nossa mente e nossos pensamentos? Será possível controlar os sentimentos, expulsá-los da sua vida? Dizem que quanto mais velhos ficamos, mais fácil fica essa tarefa.
Espero muito chegar à velhice para isso acontecer comigo. Ou espero que algum dos muitos livros que tô lendo, dê resultado; porque vou dizer, tá difícil controlar essa mente traiçoeira.

domingo, 2 de agosto de 2015

O Luto

Olá, pessoal. Tudo bem? Hoje vim falar sobre uma coisa chata, uma coisa triste para alguns, estranha para outros: o luto.
O luto é uma sensação ruim, mesmo quando ele não atinge alguém da nossa família. E quando atinge alguém distante, mas que faz parte da nossa família, para mim, ainda é algo triste. E mesmo sendo espírita, ainda não consigo me acostumar com ele, ou falar dele com naturalidade.
Para nós, espíritas, a morte é a partida do plano terreno, onde nós vivemos- plano desofrimentos e dor-, para nossa verdadeira pátria, o mundo espiritual, onde descortinam-se para nós os porquês de tudo. É como se alguém da nossa família fosse embora para uma cidade distante, só que vamos demorar a vê-lo outra vez.
Algumas pessoas conseguem lidar com o luto de forma natural, quase sem tristeza. Eu não. Apesar de estudar o espiritismo, ainda me abala, me choca, me deixa transtornada. Principalmente quando vejo quem eu amo, triste.
Mas devemos ter em mente que quando nosso ente querido está de partida para o outro plano, pedir para que ele fique só faz almentar seu sofrimento, faz com que o desenlace seja mais penoso. Por isso, em vez de pedirmos para que ele permaneça conosco, o mais certo é pedir para que Deus faça o melhor por ele. Pois mesmo quando achamos que  um fato não deveria ter acontecido, mais pra frente, enxergamos o bem que estava oculto na época.
Para quem está vivendo esse momento triste, fé e muita oração para a pessoa que partiu, pois só assim, ele estará realmente em paz.

sexta-feira, 31 de julho de 2015

LIBERDADE DE EXPRESSÃO? ONDE?

Oi pessoal. Tudo bem com voc:es?
Essa semana estou meio rabugenta, então, vou escrever sobre algo que me incomoda muito. A falsa liberdade de expressão que impera nesse país.
A liberdade de expressão é a livre expressão de suas idéias, pensamentos, sejam eles políticos, de orientação sexual o simplesmente uma bobeira qualquer. É claro, que essa liberdade termina onde começa a do outro. Mas como isso acontece de verdade?
Com o advento da internet, as pessoas falam o que querem, escondidas atrás de uma tela de computador, com nomes falsos e acabam até por ofender as pessoas com isso. Isso é o exagero da livre expressão.
Mas há também àqueles que expressando suas idéias, acabam por despertar a ira dos demais. Hoje em dia as pessoas são amigas apenas de quem pensa como elas, ou de quem se pensa diferente, não externa esse pensamento.
E daí nasse o ódio gratuito. Se eu so a favor do PT, por exemplo, sou tachada de burra, ignorante, ladra, golpista e outros adjetivos. Se eu sou oposição, sou tachada de cochinha, elitista, preconceituosa e outras coisas. Ou seja, na verdade, não temos liberdade alguma, já que um simples comentário provoca uma revolta incontrolável, um ódio ferós.
então, quando você tiver a cara de pau de dizer que o brasil é um país que permite tudo, aceita tudo e é livre e democrático, lembre-se de quantas vezes você já desfez amizades, quantas vezes você denegriu a imagem de alguém  pelo simples fato de ele não compartilhar das suas idéias. E por favor, sejamos nós a disceminar mais amor e a praticar verdadeiramente, a tão falada liberdade de expressão.
 já

quarta-feira, 29 de julho de 2015

Yorre de babel

Olá, pessoal, tudo joia?
Hoje vim falar sobre algo que venho percebendo. Percebo a cada dia mais claro, que vivemos numa verdadeira torre de babel. E vou explicar porque.
Conta a lenda que o homem numa certa época, queria construir uma torre que chegasse até o céu, e na época, todos falavam a mesma lingua, se entendiam; até que para conter a ambição do homem, Deus resolveu fazer com que cada povo, cada grupo de trabalhadores, falasse um dialeto diferente, fazendo assim com que eles não mais se entendessem, o que tornou impossível o término da torre.
Pois no nosso mundo moderno, é exatamente isso que vem acontecendo: ninguém mais se entende, e não só literalmente falando e na questão da oralidade, mas também na questão dos sentimentos. Ninguém olha mais para o outro com os olhos do zelo e do cuidado; aquele olhar que entra na alma do outro e percebe quando ele está bem ou precisa de ajuda, faz tempo que não existe mais. Ninguém mais tenta ser agradável com seu semelhante, é cada um por si e Deus por todos; e isso sem remorso algum
E o outro, o não entendido, também não faz questão de ser entendido; pelo contrário, fica esperando que o outro adivinhe seus desejos, suas vontades, seus anseios. E quando isso não acontece, a pessoa simplesmente fecha a cara e evita o diálogo, por achar que a obrigação é apenas do outro.
E assim a vida segue, com as pessoas se afastando cada vez mais, as famílias se dissolvendo por motivos idiotas e acabamos por nos abrir com estranhos ou com uma máquina. E enquanto não nos dermos conta do que Jesus sempre disse: "fazer aos outros o que queríeis que fizessem a ti mesmo", o mundo tende apenas a piorar, as pessoas tendem a cada vez mais desenvolver doenças psicológicas.
Não espero que mudemos o mundo, mas o nosso pequeno mundo, promovendo o diálogo, fazendo uma gentileza, sendo transparente, coisa que deixamos de ser a algum tempo. Por isso, mude para melhor, antes que seja tarde e percamos o mais importante em nossa vida: o amor de quem nos rodeia.

PS: como sou cega, há uma grande probabilidade de erros ortográficos. Perdoem por isso e aceito corressões ssm me oefender.

segunda-feira, 8 de junho de 2015

A dadiva do tempo

Olá, pessoal, como estão?
Hoje vim falar sobre o tempo. O que o tempo faz de tão bom para todos nós. Resolve situações que parecem insolúveis.
Nesses dias, o tempo fez seu papel. Uma situação que eu achei que nunca mais seria resolvida se resolveu tão rápido e tão cordialmente, que nem me dei conta do quanto foi fácil algo que parecia difícil.
O tempo é assim, aperta os laços que são verdadeiros e destrói aqueles que não valem nada. O tempo une aquilo que é verdadeiro e separa aquilo que não tem base sólida. E principalmente, o tempo cura o que parece incurável!
Portanto, quando você estiver numa situação que parece que nunca será resolvida e que vai acabar consumindo você, confie no tempo. Além de ter fé em Deus, é claro, confie no tempo, porque ele saberá o que é melhor pra sua vida. E principalmente, vai na direção que ele te levar, porque mais do que nós mesmos, ele sim é sábio.
Como diz a cansão para o tempo, faça um acordo com o tempo. Vale a pena e ele nunca te desaponta e nem descumpre o acordo.

A dádiva do tempo

domingo, 8 de março de 2015

OS DOIS LADOS DA MOEDA

Ol´pessoal. Em primeiro lugar, desejo a todas um felizdia da mulher, cheio de luz e felicidades.
Mas estou aqui pra falar de outra coisa: de como as escolhas que fazemos sempre influenciam as pessoas, pro bem e para o mau. Quando você faz uma escolha, você sempre vai prejudicar alguém e ajudar outro, não tem saída. E para mim, que gostaria que todos fossem felizes e que detesto ter q prejudicar alguém, lidar com as consequências das escolhas que faço é muito difícil. Não me sentir culpada por suas consequências é impossível.
Mesmo sabendo que de qualquer forma eu iria prejudicar a alguém, sem saída, não consigo não me sentir responsável pelos males das escolhas. E isso é parte do que me causa depressão e ansiedade, por exemplo.
Mas a vida a final, é feita delas, das escolhas; e admiro quem as faz e consegue deletar o resto, quem consegue viver bem com elas e ser feliz, sem arrependimentos, sem traumas, sem crise.
Se eu tivesse que dar um conselho a alguém, diria: seja mais racional e menos sentimental; assim você sofre menos e é mais feliz.

sábado, 21 de fevereiro de 2015

A linha tenue emtre a introversão e o isolamento

Olá, pessoal, tudo joia?
Sempre fui contra a solidão, apesar de gostar dela, mas hoje me questiono um pouco sobre isso. Tem dias, como hoje, que gostaria de ficar que nem os adolescentes, no quarto, ouvindo musica, cantando e deitada, contemplando a vida. Isso pode ser só uma fase, um dia; mas até onde vai um momento de solidão, e onde começa um isolamento total da pessoa?
Tem pessoas, como eu, que não sabem onde acaba  um momento de introversão e começa o isolamento. Pra falar a verdade, acho uma linha muito tênue. Sempre gostei de estar sozinha, ouvindo uma musiquinha, nunca gostei de bailes em boates, exceto quando são shows ou bailes gaúchos e de carnaval. As festas que tem muita gente, até um certo momento pra mim, são  legais; mas daqui a pouco, já quero ir embora e voltar pra o meu momento silencioso.
Até um tempo atrás, não via problema nisso, gostava até. Mas hoje me questiono até onde posso deixar esse momento introvertido tomar conta de mim. Quando eu era adolescente, ok, tava tudo certo, podia me dar esse luxo, mas hoje não.
Só por hoje, vou deixar esse momento tomar conta de mim. Vou viver esse meu momento meio adolescente rebelde e ficar com a minha musiquinha, isolada do mundo, sem querer saber de ninguém. Só espero que amanhã, essa vontade vá embora e eu volte a fazer parte do mundo real, do mundo onde há interação entre as pessoas. 

quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

Emprestado

Oi pessoal. como estão?
Hoje venho postar um texto de autoria de minha irmã, Cristiely Lopes, que condiz com tudo que andei pensando enquanto estive em férias.

Quando estive em férias a 3 anos atrás, todas minhas amigas da cidade onde eu estava eram solteiras, sem filhos e liver pra voar e nos divertirmos juntas. Esse ano, quando voltei, estavam todas casadas, a maioria com filhos, e não assim tão livres pra voar. E o que guardo daquele tempo são as saudades e a lembrança, além é claro da certeza de ser a solteirona do grupo.
E o texto escrito pela mana nos lembra que tudo em nossa vida é emprestado, inclusive os bons momentos. E que devemos aproveitá-los ao máximo. Vamos a ele:
Emprestado








Uso este computador e esta conexão para escrever, estudar e me comunicar com amigos. Os amigos que conversamos hoje podemos não conviver amanhã por diversos motivos, entre os quais incluo casar, mudar-se ou ganhar na mega-cena.



As roupas, o dinheiro, a convivência familiar, as viagens, os amores a vida e a morte: tudo é temporário e emprestado. Temporário porque nada é para sempre, exceto o espírito e os sentimentos; emprestado pelo simples fato que nada, muito menos a terra que habitamos é nossa.



A vida tem se mostrado tão intensa em sua excência, que torna-se importante cultivar tanto o temporário, quanto o emprestado e o eterno. É no espírito que levaremos as marcas do que fizemos, é onde tudo sobre nós irá transparecer positiva ou negativamente.



As pessoas e os bens materiais vão e vem em uma velocidade maior que a publicação desse texto. E o que você fez com tudo isso que lhe foi emprestado?



Se ama o próximo e faz-se presente em sua vida, usa os bens materiais de forma responsável e é racional na linha tênue do amor e da frieza, certamente você é feliz. Se alguma dessas coisas você exagerou, talvez sofra pelo apego ou esteja sendo frio demais, consumista ou mão fechada, rancoroso ou sem atitude,
sentimental demais ou racional ao extremo. Qual lembrança vai ter dos empréstimos concedidos??