quinta-feira, 25 de abril de 2013

criticando à crítica


No começo de nossas vidas, para nos transformarmos em grandes profissionais ou grandes pessoas, um ser muito especial passa por nossas vidas, e que ao longo de nossa tragetoria, acabamos não lhes dando o devido valor, já que nos sentimos autossuficientes e achamos que tudo que aprendemos foi obra do acaso ou que já nascemos sabendo. Essa pessoa é o tão especial, mas tão pouco valorizado professor.

Os professores e a escola tem exercido papéis que nem sempre lhes cabe. E apesar disso, quando o jovem segue um caminho torto a culpa é sempre da escola ou do professor que não ensinou boas maneiras às crianças, que não lhes deu educação sexual, que não lhes ensinou a respeitar o trânsito; e quando o cidadão se torna uma pessoa bem-sucedida, aí é graças a seus pais, a sua família bem-estruturada, mas nunca lembram-se do papel da escola na formação do cidadão de bem.

Na profissão de professor, todo mundo dá pitaco, critica, mas nunca elogia. Apesar de poucos terem estudado para se tornar mestres, todos sabem tudo de como cuidar de 30 crianças dentro de uma sala de aula ou de uma escola com pouca estrutura, todos se sentem no direito de dizer que eles ganham muito bem pra passar por isso, que trabalham bem mais do que deveriam e que prejudicam seus alunos por isso; mas não lembro de alguém que entenda tanto de medicina, jornalismo, radialismo, justiça ou algo do tipo. Não lembro de alguém que critique esses profissionais ou que os conteste com tanta veemência. E não estou aqui insentivando que se critique a partir de agora a todos, pelo contrário, sugiro que elas sejam feitas de uma forma mais branda e justa.

As pessoas na ânsia de falar o que pensam, não percebem que ao criticarem o trabalho de alguns acabam atingindo pessoas que nada tem a ver com o pato. E a pessoa que merece realmente ouvir a crítica acaba nem sendo atingida. Existem sim professores relapsos e maus profissionais, mas existem também jornalistas sensacionalistas, maus médicos, agentes administrativos preguiçosos.... E para que isso mude, não basta apenas criticar e denegrir a imagem de muitos, deixando assim seu lado humano de lado e magoando quem não merece.

Para que os maus profissionais de qualquer espécie estejam cada vez mais visados, se utilize dos meios que todo e qualquer cidadão tem para denunciá-los. Hoje o povo tem todas as armas para isso e não o faz, prefere o mecherico, a distribuição de panfletos ofensivos a uma classe inteira, enfim, os meios nada cristãos e nada eficazes. Hoje existem os abaixo-assinados, as leis de iniciativa popular e até mesmo a justiça para fazer valer seus direitos e banir os maus profissionais.

Portanto, antes de achincalhar a classe doscente, lembre-se de que se você é uma pessoa bem-sucedida, se você pode escrever e argumentar e se é um cidadão consciente, foi graças ao abnegado e sobrecarregado professor, que é nosso pai, nosso psicólogo, nosso médico, nosso amigo e principalmente, nosso mestre e guia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

comentem a vontade. estou aberta a sujestões e criticas. abraços!