sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Tristeza não tem fim, felicidade sim. Será?

Olá, povo. Tudo joia? Hoje Eu estou muito, mas muuuuito reflexiva. Aliás, esse fim de ano estou reflexiva. Vim falar sobre uma frase que costumo ouvir e não concordo. A frase diz: "tristeza não tem fim, felicidade sim". Vou explicar o porquê não concordo. Para quem sabe que simplesmente estar vivo e saudável já é uma alegria, a felicidade está em qualquer pequeno gesto, em cada pequeno sorriso. Só quem nunca esteve dentro de um hospital de grandes cidades e não viu de verdade o que é sofrimento é que, estando saudável, tendo o que comer e um emprego para chamar de seu, pode dizer que não é feliz de verdade. Eu peregrinei por vários hospitais em Porto Alegre. Vi pessoas muito, mas muito doentes mesmo. Pessoas sem um olho, pessoas com câncer em estado terminal. E essa gente tão sofrida nos passa uma lição de vida enorme! Para depressão, melhor terapia não há. Existem famílias que não tem o que comer e mal conseguem ter uma casa para morar, e mesmo assim são muito mais felizes que muita gente que tem de tudo. Essas pessoas que tem tudo o que é material se esquecem que a verdadeira felicidade está no amor e na caridade para com o próximo, pois fazendo o bem aos outros nos tornamos mais felizes. E essa caridade não precisa ser material, um abraço, um olhar carinhoso, um jesto amigo e até mesmo orar por alguém é uma forma de caridade. É por isso que se para essas pessoas tão sofridas a tristeza não existe, quem somos nós para sermos tristes? Podemos sim ter momentos tristes, mas não de ter uma vida baseada na tristeza. Por isso, mudemos essa frase para> "felicidade não tem fim, tristeza sim".

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Meu 2012

Olá, pessoal, tudo joia? Hoje eu vim falar sobre o meu ano de 2012. Ele foi cheio de desafios, mas também cheio de conquistas. Vamos a ele. Bem, comecei o ano de 2012 estudando para dois concursos, o doo INSS e o da Prefeitura Municipal de Itaqui. Passei nos dois concursos, mas não tão bem como eu gostaria. No do INSS passei entre os 150 primeiros da região, e no da Prefeitura passei pelas cotas. Quando eu achei que tava tudo certo pra eu entrar na prefeitura, eis que colocam mil empecilios para que eu nã entrasse. Quase entrei na justiça, mas não foi necessário. Enfim, depois de 2 anos formada e desempregada, consegui meu espaço profissional. Depois entrei, conheci gente nova, legal, um mundo um pouco diferente do que eu vivia. E inesperadamente uma crise de pânico me atinge a ponto de quase me deixar totalmente incapacitada para tudo. Mas com a força da minha familia, me levantei e saí ainda mais forte do que quando eu entrei nela. Estou frequentando a psico e estou ficando cada vez mais forte.Em casa, meu mano que eu amo tanto como um filho tá se formando, graças a Deus. To tão feliz com a formatura dele.. Conheci nesse meio tempo uma grande amiga que com certeza será amiga para a vida toda. E uma amiga bem mais nova que eu, o que demonstra que a diferença de idade não quer dizer nada. Todos os meus planos de 2012 se realizaram. Para 2013 estou cheia de planos que amanhã eu conto.

terça-feira, 25 de dezembro de 2012

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Aposentadoria especial para pessoas com deficiencia

Olá. Tudo bem, pessoal? Hoje vim falar sobre uma coisa que está rodando na internet, um abaixo assinado para regulamentar a aposentadoria especial para pessoas com deficiencia. Essa lei já existe, porém, ainda não é regulamentada. A constituição dis que devemos tratar de forma igual os iguais e de forma desigual os desiguais, na medida de sua desigualdade, ou seja, de forma a que eles possam se equiparar aos demais. Entenda-se como desiguais os pobres, negros, deficientes e outros socialmente desfavorecidos. E para igualar os deficientes foi que foi criada a aposentadoria especial. Essa aposentadoria diminui o tempo de contribuição da PCD para no máximo 25 anos para deficientes leves e 20 anos para quem sofre de deficiencias mais graves. Porém, eu não concordo com essa lei em alguns pontos. Acredito que essa seja uma forma de segregação a nós, uma forma de demonstrar que não somos assim tão capazes para o trabalho. Além disso, é uma contradição, já que lutamos tanto para ingressar no mercado de trabalho através da lei de cotas. É claro que para pessoas que tem deficiencias progressivas que com o tempo as incapacitam para o trabalho, ela é válida, e por isso concordo que essa lei seja válida apenas para essas pessoas, assim como outros benefícios. Eu sei que posso pagar por essa postagem, já que sou uma vós dissonante dos demais deficientes, porém, eu que tenho deficiencia física, motora e visual não posso deixar de expressar minha opinião sobre esse assunto. Reflita e opine também, a favor ou contra, mas opine!

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Você sabe a hora de parar?

Olá povo. Hoje vim falar sobre um tema que vi ontem no programa do profissão reporter, tema delicado, aliás. O programa ontem foi sobre as mulheres alcoólatras e numa determinada parte, falava sobre os universitários de uma cidade paulista que são os que mais bebem no Brasil. Na época da reportagem, dois jovens tinham morrido por excesso de bebida. E isso me fez lembrar dos meus tempos de universitária e dos trotes que aqui fazem. Aqui o jovem bicho tem que pagar cerveja pra todo mundo, e o trote em uma determinada universidade consiste em o jovem beber até não se aguentar mais em pé. E durante a faculdade, é absolutamente normal o jovem beber até cair, e beber de tudo. Se você não bebe ou bebe pouco, você é careta, fora de moda, quadrada. E pior, contam com o maior orgulho seus porres, seu coma alcoólico, sua falta de lembranças sobre o que se sucedeu durante determinada festa. E daí fico pensando, o que serão desses universitários depois de adultos? será que pra começar, algo do que aprenderam ficou em seu cérebro com os neorônios acabados pela bebida? A mídia vende a bebida com a maior cara de pau e naturalidade, como se a bebida não seja a porta para todo o tipo de drogas,ou ainda pior, sendo droga lícita, é a mais devastadora de todas. Muitos jovens sem limites tornam-se adultos sem limites. E mesmo com limites, precisamos lembrar que a bebida é uma drora, lícita, mas uma droga. Espero que com essa reportagem alarmante de Caco Barcellos a mídia, ao envez de insentivar a bebedeira se utilize mais de seu espaço para mostrar os males que o álcool pode fazer ao ser humano. E que os jovens da próxima geração estejam mais conscientes desses riscos, que seus pais tenham maior diálogo com seus filhos sobre isso; porque mais que papel da mídia, esse é um papel da familia.

sábado, 1 de dezembro de 2012

QUANDO O AMOR NÃO BASTA

Oi pessoal. hoje vim mais fazer um desabafo, que vocês nem precisam levar em conta. Ontem, sem querer, no meio da minha festa de aniversário, fiz uma descoberta. descobri que amar só não é tudo. não é verdade esse negocio de quando há amor, não há distancia que separe,. Você conhece alguém pela internet, se apaixona. gosta tanto que fica em dúvida se essa pessoa é mesmo o amor da sua vida ou se é só uma amizade que você confundiu. mesmo ele te dizendo que não gosta de você, que vocês nunca dariam, certo, voce fica com aquela esperança de um dia conquistá-lo. Mas um belo dia você acorda depois de ter um sonho lindo com ele, fica o dia todo pensando nele e se dá conta que ele é realmente o amor da sua vida, mas que nunca dará serto. A final, onde ele estará no dia do seu aniversário? e quando você precisar dele pra te abraçar, desabafar, curtir o silêncio? e quando você quiser compañia pra dar uma volta, pra conversar? e quando você estiver doente, quem vai te mimar ou te dar carinho? De repente, você descobre que nem o seu grande amor diminui o que a distância faz, porque você já passou da idade de não querer viver a realidade, tudo que você quer é a rotina desgastante da realidade, é conhecer todos os defeitos dele e quer mostrar sem dó nem piedade todos os seus, você quer aquela briga que te faz chorar e gritar ou aquela felicidade que te faz sair de mãos dadas na rua rindo que nem criança. enfim, você quer o certo, o real, e não a aventura, o incerto. E então, você se dá conta que o amor da sua vida se realizará na próxima encarnação e vai ter que aprender a conviver com essa triste descoberta.

Quando só o amor não basta